Análise histórica da evolução do consumo de álcool entre indígenas do Brasil: um processo individual, coletivo e étnico

Autores/as:
Euzelene Rodrigues Aguiar

Materias IBIC - BISAC

  • JNSL - Enseñanza de alumnos con problemas emocionales y de conducta
  • JNKP - Relaciones escuela/comunidad y relaciones escuela/hogar

Resumen

 AGUIAR, Euzelene Rodrigues. Análisis histórico de la evolución del consumo de alcohol entre indígenas en Brasil: un proceso individual, colectivo y étnico. 2020. 397f. il. Tesis (Programa de Doctorado en Psicología); Universidad de Salamanca, Salamanca – España.

 El consumo de bebidas alcohólicas en las culturas indígenas brasileñas se remonta a tiempos inmemoriales, cuyas prácticas etílicas tradicionales ya incluían la fermentación de frutas, cereales y raíces. Posteriormente, las bebidas destiladas fueron introducidas en la vida cotidiana a través de los procesos de pacificación y colonización. El análisis de la interfaz entre raza/etnia, género y salud parte de la investigación sobre el consumo de alcohol entre hombres y mujeres indígenas y propone un estudio interdisciplinar, favoreciendo la interlocución entre la Historia de la Ciencia y las Ciencias Sociales, con énfasis en la Psicología. El enfoque de la Psicología Social, específicamente, se debe a la íntima relación entre el consumo de alcohol y la interacción individuo-sociedad. El alcoholismo ha sido considerado como una enfermedad social generalmente presente en las clases populares en función de sus condiciones de vida, status, poder, costumbres, así como de su participación económica y política. En esta investigación se realizó un análisis del origen y evolución del consumo del alcohol entre indígenas en Brasil, considerándose aspectos históricos y socioculturales a partir de un contexto general hasta su realidad local. Desde la metodología histórica se optó por la Teoría Fundamentada (Grounded Theory), como método de investigación, a través de la realización de entrevistas semiestructuradas. El trabajo de campo fue realizado con bebedores indígenas de dos etnias; los Pataxó del extremo sur del estado de Bahía, de liderazgo masculino; y los Jenipapo-Kanindé del estado de Ceará, cuyo liderazgo es femenino. El objetivo principal de este estudio fue comprender la dimensión subjetiva de la acción de consumir bebidas alcohólicas entre hombres y mujeres indígenas de ambas etnias a partir de un estudio comparativo. Entre las principales conclusiones de este trabajo se verificó que en el caso de los Pataxó, al contrario que en sus celebraciones tradicionales, la conducta bebedora de muchos indígenas ya no se caracteriza por la festividad y socialización sino que se trata más bien de una actividad solitaria que generalmente ocurre en su ambiente doméstico. En lo que se refiere a los Jenipapo-Kanindé la socialización también se da a través del consumo de bebidas alcohólicas, en cuyo contexto las mujeres indígenas se asumen públicamente como bebedoras, indicando un empoderamiento femenino que se revela también a través de una mayor participación de aquellas en las instancias comunitarias de liderazgo y poder.

 

Biografía del autor/a

Euzelene Rodrigues Aguiar, Universidad de Salamanca

-

Citas

AGUIAR, Euzelene R. Análisis histórico de la evolución del consumo de alcohol entre indígenas Pataxó de Bahía (Brasil): un proceso individual, colectivo y étnico. Trabajo de grado orientado pelo Prof. Dr. Juan Antonio Rodríguez Sánchez; realizado no Programa de Doctorado “La enfermedad: su dimensión personal y condicionantes socioculturales”; Facultad de Medicina, Departamento de Psiquiatría, Psicología Médica, Medicina Legal y Historia de la Ciencia; Universidad de Salamanca, Salamanca, Espanha, 2012.

AGUIAR, Euzelene R. Políticas públicas para a educação superior indígena na Bahia: caminhos para o protagonismo e a autonomia? Dissertação (Mestrado em Políticas Públicas, Gestão do Conhecimento e Desenvolvimento Regional); Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas, Gestão do Conhecimento e Desenvolvimento Regional - PGDR; Departamento de Ciências Humanas/Universidade do Estado da Bahia – UNEB, Salvador, Brasil, 2008.

AGUIAR, Euzelene R. Os Mecanismos de Proteção dos Direitos Humanos: um estudo sobre a aplicabilidade dos instrumentos de alcance geral e específico. Monografia (Especialização em Direitos Humanos). In: TAPARELLI, Gino (Org.) Revista do Curso de Especialização em Direitos Humanos. Salvador: Ministério Público do Estado da Bahia e Universidade do Estado da Bahia – UNEB, 2001, p. 151-184.

ALBERTI, Verena. História oral: a experiência do CPDOC. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1990.

ALBERTI, Verena. Manual de história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

ALENCAR J. Índios pataxós da aldeia Barra Velha no extremo sul da Bahia querem ampliação de área, nov. 2011. Disponíveis em: http://www.girodenoticias.com/noticias/geral/1180/indios-pataxos-da-aldeia-barra-velha- no-extremo-sul-da-bahia-querem-ampliacao-de-area-20-09-2011. Acesso em: 31 maio. 2016.

ALGRANTI, Leila Mezan. Aguardente de cana e outras aguardentes: por uma historia da produção e do consumo de licores na América portuguesa. In: CARNEIRO, Henrique; PINTO, Renato (Orgs.) Álcool e drogas na história do Brasil. São Paulo: Alameda, 2005. p. 71-92.

ALMEIDA, Sílvio. Racismo estrutural. São Paulo: Pólen, 2019. (Série Feminismos Plurais)

ALONSO-FERNANDEZ, F. Perspectivas antropológicas de la etiología del alcoholismo. Actas Luso-Españolas de Neurología y Psiquiatría. v. XXV, n. 2. Madrid: Complutense, 1991.

ALONSO-FERNANDEZ, F. Fundamentos de la Psiquiatría actual. Tomo II, Madrid: Paz Montalbo, 1979.

ALONSO-FERNANDEZ, F. Alcohol dependência. Madrid: Piramide, 1981.

ALTHUSSER, Louis. Ideologia e aparelhos ideológicos do Estado. Lisboa: Presença, 1974.

Associação Nacional de Ação Indígena (ANAÍ). Desenvolve atividades de divulgação e promoção dos direitos dos povos indígenas da região Nordeste do Brasil. Disponível em: www.anai.org,br. Acesso: 01 maio 2014.

Associação Nacional de Ação Indígena (ANAÍ). Povos indígenas. Disponível em: http://anai.org.br/. Acesso em: 12 jul. 2015.

ANGUERA ARGILAGA, Mª. Teresa. La investigación cualitativa. Educar, 10, p. 23-50. 1986. Disponível em: http://www.raco.cat/index.php/educar/article/viewFile/421 71/94904. Acesso em: 10 set. 2015.

ANGATU, Casé; TUPINAMBÁ, Katu. Somos todos Marcelinos: um pouco das muitas histórias. Disponível em: http://seminariocaboclomarcelino.blogspot.com.br/p/caboclo- marcelino.html. Acesso em: 10 maio 2015.

APARÍCIO, Adriana Biller. Direitos territoriais indígenas: diálogo entre o direito e a antropologia, o caso da terra guarani “morro dos cavalos”. Dissertação (Mestrado em Direito) apresentada na Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2008.

ARAÚJO, Ana Valéria; et al. Povos indigenas e a Lei dos “brancos”: o direito à diferença. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional, 2006. Disponível em: http://www.mackenzie.br/fileadmin/Graduacao/EST/Revistas_EST/III_Congresso_Et_ Cid/Comunicacao/Gt04/Antonio_Alves_de_Almeida.pdf. Acesso em: 17 jul. 2015.

ARENDT, Hannah. A violência. Tradução de Maria Claudia Drumon, 2004. Disponível em: http://pavio.net/download/textos/ARENDT,%20Hannah.%20Da%20Viol%C3%AAnci a.pdf . Acesso em: 3 nov. 2014

ARRUTI, José Maurício P. A. A produção da alteridade: o toré e as conversões missionárias e indígenas. In: MONTERO, Paula (org.). Deus na aldeia: missionários, índios e mediação cultural. São Paulo: Globo, 2006, p. 381-426.

AZEVEDO, R.C.S. Drogas e trabalho. In: GUIMARÃES, L.A.M.; GRUBITS, S. Saúde

mental e trabalho. v. 1. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999. p. 13-24.

BARROS, T. Imanência indígena. Fortaleza: Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, 2011.

BAUMAN, Zigmunt. Comunidad: en busca de seguridad en un mundo hostil. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica de Argentina, 2008.

BAUMAN, Zigmunt. Vidas desperdiciadas. Barcelona: Ediciones Paidós Ibérica, 2005;

BAUMAN, Zigmunt. Modernidad líquida. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica de Argentina, 2003.

BELLELLI-G.Leone-A.CURCI. Emocion y memoria colectiva: el recuerdo de acontecimientos públicos. Universidad de Bari, Italia. Rev. Psicología Política, nº 18, 1999, p. 101-124.

BERGER, Peter L. A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes, 1973. BERNAR, Diego de Azqueta. Conocimiento indígena. Revista Ecología Política. Disponível em: http://www.diegoazquetabernar.com/html/articulos/010.htm. Acesso em: 22 ago. 2016.

BERIAIN, Josetxo; LANCEROS, Patxi. Identidades culturales. Universidade de Deusto. Bilbao, 1996.

BERMEJO, Ana Isabel. Um enfoque del alcoholismo desde la Paranóia. Universidade Pontifícia de Salamanca, Faculdade de Psicologia, Salamanca, 1989.

BERTOLDO, E.; SANTOS, M. R. Educação e o binômio exclusão/inclusão. In: JIMENEZ, S.; RABELO, J.; SEGUNDO, M. d. Marxismo, educação e luta de classes. Fortaleza: Ed. UECE. 2010, p.131-142.

BERTONI, Luci Mara. “Se beber não dirija”: representações sociais de universitários sobre propagandas televisivas de cerveja. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual Paulista, Campus de Araraquara, São Paulo, 2007.

BIBEAU, G. Hay uma enfermedad en las Américas? Otro camiño de la antropologia médica para nuestro tempo. VI Congreso de Antropologia em Colombia. Universidad de los Andes, Julio, 22-25, 1992.

BOAS, Franz. Antropologia cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

BOCK, Ana M.B; FURTADO; Odair, TEIXEIRA et al. Psicologias: uma introdução ao estudo da psicologia. São Paulo: Saraiva, 1993.

BOGANI, Miguel E. Alcoholismo, enfermedad social. Barcelona: Plaza & Janés, 1976.

BONIN, Iara Tatiana. Racismo institucional em Mato Grosso do Sul. Mais uma vez o estado lidera o ranking de violências contra os Povos Indígenas. In: Relatório violências contra povos indígenas no Brasil 2009. CIMI, Brasília-DF, Brasil. Disponível em: http://www.cimi.org.br/site/pt-br/?system=publicacoes&cid=30;. Acesso em: 23 maio 2016.

BORGES, Ricardo Dantas. Uma análise sobre o processo de territorialização, afirmação étnica e políticas indigenistas no caso dos índios Tuxá de Rodelas. Faculdade de Antropologia da Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro. Disponível em:

http://www.laced.mn.ufrj.br/indigenismo/arquivos/textoramGT12ricardodantas.pdf. Acesso em: 02 jul. 2017.

BOSI, Ecléa. O tempo vivo da memória. Ensaios de Psicologia Social. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 14. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

BOURDIEU, Pierre. Questions de sociologie. Paris: Les Éditions de Minutis, 1984.

BIZARRIA, Erlan Souza e Fernanda. Remições do Rio Negro. Disponível em: http://filmespolvo.com.br/site/eventos/cobertura/1129. Acesso em: 05 maio 2015.

DUARTE, Paulina do Carmo Arruda Vieira; STEMPLIUK, Vladimir de Andrade; BARROSO, Lúcia Pereira (org.). Relatório Brasileiro sobre drogas 2010. Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas (SENAD) e Ministério de Justiça. Disponível em: http://www.obid.senad.gov.br/portais/OBID/biblioteca/documentos/ Relatorios/328379.pdf. Acesso em: 15 abr. 2014.

DUARTE, Paulina do Carmo Arruda Vieira; STEMPLIUK, Vladimir de Andrade; BARROSO, Lúcia Pereira (org.). Presidência da República. Casa Civil. Estatuto do Índio. Lei Nº 6.001. de 19 de Dezembro de 1973. Disponível em: http://www.planalto.gov. br/ccivil_03/Leis/L6 001.htm. Acesso em: 11 de abr. 2014.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases. Lei 9394/96 | Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/109224/lei-de-diretrizes-e-bases-lei-9394- 96#art-78. Acesso em: 23 abr. 2014.

BRASIL. Lei 11.645 de 2008, obriga o estudo da história e cultura indígena em todas escolas nacionais nos níveis fundamental e médio. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em: 05 abr. 2015.

BRASIL. Ministério Público Federal. 6ª Câmara - Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais. Disponível em: http://6ccr.pgr.mpf.gov.br/institucional/grupos-de-trabalho/educacao/documentos/lei- 12-046-de-4-de-janeiro-de-2011. Acesso em: 11 set. 2015.

BRASIL. COMISSÃO NACIONAL DA VERDADE (CNV). 2014. Disponível

em:http://www.cnv.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=571. Acesso em: 13 dez. 2015.

BRASIL. Constituição Federal. Senado Federal. Atividade Legislativa. Texto compilado até a Emenda Constitucional nº 93 de 08/09/2016. Disponível em: https://www.senado.leg.br/atividade/const/con1988/con1988_08.09.2016/art_231_.asp #:~:text=231&text=Dos%20%C3%8Dndios,Art.,respeitar%20todos%20os%20seus%20b ens. Acesso em: 05 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa de Apoio à Formação Superior e Licenciaturas Interculturais Indígenas – PROLIND. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/par/194-secretarias-112877938/secad-educacao-continuada- 223369541/17445-programa-de-apoio-a-formacao-superior-e-licenciaturas-interculturais- indigenas-prolind-novo. Acesso em: 10 jul. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/Gestor/area.cfm?id_area=1708. Acesso em: 12 jul. 2012.

BRASÍLIA. Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal. Disponível em: https://www.condsef.org.br/noticias/ameaca-extincao-sesai-leva -revolta- comunidades-indigenas. Acesso em: 10 jun. 2019.

BRASÍLIA. Organização Internacional do Trabalho (OIT). Convenção n° 169 sobre povos indígenas e tribais e Resolução referente à ação da OIT. Brasilia: OIT, 2011, 1 v. ISBN: 978-92-2-824257-7

BRUNER, Jerome. Realidad Mental y mundos posibles: los actos de imaginación que dan sentido a la experiencia. Barcelona: Editorial Gedisa, 1994.

BRUNER, Jerome. Actos de significado: más allá de la revolución cognitiva. Madrid: Alianza Editorial, 1991.

CAMPOS, Regina Helena de Freitas; et al. Psicologia social comunitária: da solidariedade à autonomia. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

CAMPOS MARIN, Ricardo. Alcoholismo, medicina y sociedad en España (1876- 1923). Madrid: Consejo Superior de Investigaciones Científicas; 1997.

CAMPOS MARIN, Ricardo. Socialismo marxista y higiene publica: la lucha antialcohólica en la II internacional (1890-1914/19). Madrid: Fundación de Investigaciones Marxistas, 1992.

CAMPOS MARIN, Ricardo; MARTÍNEZ PÉREZ, José y HUERTAS GARCÍA-ALEJO, Rafael. Los ilegales de la naturaleza: medicina y degeneracionismo en la España de la restauración, (1876-1923). Madrid: Consejo Superior de Investigaciones Científicas, 2000.

CAMPOS MARIN, Ricardo; MONTIEL, Luis; HUERTAS GARCÍA-ALEJO, Rafael.

Medicina, ideología e historia en España:(Siglos XVI- XXI). Madrid: Consejo Superior de Investigaciones Científicas, 2007.

CIMI – CONSELHO INDIGINISTA MISSIONÁRIO. Disponível em: https://cimi.org.br/wp-content/uploads/2018/09/Relatorio-violencia-contra-povos- indigenas_2019-Cimi.pdf. Acesso em: 30 maio 2019.

CARNEIRO, Henrique. Transformações do significado da palavra “droga”: das especiarias coloniais ao proibicionismo contemporâneo. In: CARNEIRO, Henrique; PINTO, Renato (orgs.) Álcool e drogas na história do Brasil. São Paulo: Alameda, 2005, p.11-28.

CARVALHO, Maria Rosário G. Os Pataxó de Barra Velha: seu subsistema econômico. Dissertação apresentada no Programa de Mestrado em Ciências Sociais da Universidade Federal da Bahia- UFBA, Salvador, BA, 1977.

CASTELLS, Manuel. A era da informação: economía, sociedade e cultura. O poder da identidade. 3. ed. v.2, São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CATTANI, Antonio Davi; PAGLIARO, Heloisa. Riqueza e desigualdades. In: Dossiê: povos indigenas do Brasil. Salvador: Universidade Federal da Bahia – UFBA, 2009.

CIMI, Conselho Indigenista Missionário. Relatório Violências contra os povos indigenas no Brasil (2011 a 2019). Conselho Indigenista Missionário, (CIMI) e Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, (CNBB). Disponível em: http://www.cimi.org.br/pub /CNBB/Relat.pdf. Acesso em: 05 jun. 2020.

CIMI – Conselho Indigenista Missionário. Mulheres em luta: as principais pautas da 1ª marcha das mulheres indígenas, ago. 2019. Disponível em: https://cimi.org.br/2019/08/mulheres-em-luta-as-principais-pautas-da-1a-marcha-das- mulheres-indigenas/. Acesso em: 05 jun. 2020.

CIMI – Conselho Indigenista Missionário. Povos indígenas e o coronavírus: confira notícias e informações sobre como a pandemia de covid-19 vem afetando os povos indígenas no Brasil. 2020. Disponível em: https://cimi.org.br/coronavirus/. Acesso em: 02 jul. 2020.

COLOMA, C. Processo de alcoolização no contexto das nações indígenas. In: Anais do Seminário sobre Alcoolismo e DST/AIDS entre os Povos Indígenas. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2001. p. 127-148.

CORTESÃO, J. Carta de Pero Vaz de Caminha a El-Rei D. Manuel sobre o achamento do Brasil. Texto integral. São Paulo: Martin Claret, 2003.

COUTO, Patrícia N. de Almeida. O processo de ressurgimento étnico entre os Tupinambá de Olivença. Monografia apresentada no Departamento de Antropologia da Universidade Federal da Bahia, (UFBA), Salvador, 2003.

CUÑAT GIMENEZ, Ruben. Estudio del proceso de creación de empresas. Aplicación de la Teoría Fundada del Proceso de Creación de Empresas. (Grounded Theory), 1999. Disponível em: http://www.investigacioncualitativa.es/Paginas/Articulos/investigacioncualitativa/Cunat.pdf. Acesso em: 11 maio 2017.

DALLARI, Dalmo de Abreu. Direitos humanos e cidadania. São Paulo: Moderna, 1998.

DAMATTA, Roberto. Relativizando: uma introdução à antropologia social. 3. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1987.

DANTAS, Claudia de Carvalho; LEITE, Joséte Luiza. Teoria fundamentada nos dados – aspectos conceituais e operacionais: metodologia possível de ser aplicada na pesquisa em enfermagem. Rev Latino-am Enfermagem, jul.-ago. 2009. Disponível em: www.eerp.usp.br/rlae. Acesso em: 17 jun. 2016.

DAVIS, C.; OLIVEIRA, Z. de M. Psicologia na educação. São Paulo: Cortez, 1994.

DELGADO, Lucilia de Almeida Neves. História oral: memória, tempo, identidades. Belo Horizonte: Autência, 2006.

DIAS, Cristina Maria de Souza Brito. Velhice: vulnerabilidades e possibilidades. In: MOREIRA, Lúcia Vaz de Campos (org.). Psicologia, família e direito: interfaces e conexões. Curitiba: Juruá, 2013. p. 259-274.

DIAZ-TEJEIRO, Eugenia C. Estudio estadístico de la psico-etiología y de la psicopatología del alcoholismo como enfermedad social. Universidad de Pontifícia de Salamanca - UPS, Facultad de Psicología, 1978.

DONATO, Hernani. Os índios do Brasil. 5. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1995. (Coleção Povos do Passado).

DURKHEIM, E. O que é fato social. In: As regras do método sociológico. Rio de Janeiro: Ed. Abril, 1978. p.29-39. (Coleção Pensadores).

ECHEBURRÚA, Enrique. Abuso del Alcohol. Guías de intervención. Psicología Clínica.

Madrid: Editorial Síntesis, 2008.

ELOY, Luiz Henrique. Carta de Ipegue: Documento final da 13º Assembleia Terena. Revista Combate Racismo Ambiental, maio 2019. Disponível em: https://racismoambiental.net.br/2019/05/14/carta-de-ipegue-documento-final-da-13o- assembleia-terena/. Acesso em: 10 jun. 2019.

ERICKSON, H. Erik. Infancia y sociedad. 8. ed. Buenos Aires: Hormé, 1980.

ERICKSON, H. Erik. Identidade, juventude e crise. Rio de Janeiro: Zahar, 1972.

ESCOHOTADO, Antonio. Historia general de las drogas. 2. ed. Madrid: Editorial Espasa Calpe S.A., 1999.

FAZENDA, Ivani. Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. Campinas: Papirus, 1994.

FAZENDA, Ivani. A interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. 4. ed. Campinas: Papirus, 1994.

FADIMAN, James; FRAGER, Robert. Teorias da personalidade. São Paulo: Harbra, 1986.

FEIJÓ, Carmen. Trabalho escravo, infantil e indígena, desafiam direitos indigenas. 2008. Disponível em: http://www.direitodoestado.com.br/noticias/ 6793/Trabalho- escravo-infantil-e-ind%C3%ADgena-desafiam-direitos-humanos. Acesso em: 04 out. 2017.

FELLET, João. Em meio à covid-19, garimpo avança e se aproxima de índios isolados em Roraima. BBC News Brasil, abr. 2020. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-52225713. Acesso em: 15 abr. 2020.

FERNANDES, João Azevedo. Selvagens bebedeiras: álcool, embriaguez e contatos culturais no Brasil Colonial (Séculos XVI-XVII). São Paulo: Alameda, 2011.

FERREIRA, Marieta de Moraes. História do tempo presente: desafios. In: Cultura. v. 94,

n. 3, Petrópolis: Vozes, 2000. p.111-124

FIGUEIREDO, Betânia Gonçalves. O arranjo das drogas nas boticas e farmácias mineiras entre os séculos XVIII e XIX. In: CARNEIRO, Henrique; PINTO, Renato (orgs.) Álcool e drogas na história do Brasil. São Paulo: Alameda, 2005, p. 141-154.

FIORI, Maurício. A medicalização da questão das drogas no Brasil: reflexões acerca de debates institucionais e jurídicos. In: CARNEIRO, Henrique; PINTO, Renato (orgs.) Álcool e drogas na história do Brasil. São Paulo: Alameda, 2005, p. 257-290.

FONTELES FILHO, José Mendes. Subjetivação e educação indígena. Tese (Doutorado em Educação) apresentada na Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza, 2003.

FORNET-BETANCOURT, R. Lo intercultural: el problema de su definición. In: ONGHENA, Y. (coord.). Intercultural: balance y perspectivas. Barcelona: Fundación CIDOB, 2002. p.157-160.

FOSCACHES, Nataly Guimarães. Análisis del racismo contra los Kaiowá y Guarani en los periódicos brasileños. Maestría (Estudios Latinoamericanos) - Instituto de Iberoamerica de la Universidad de Salamanca. Salamanca, 2010.

FOUCAULT, Michel. Vigilar y castigar: nacimiento de la prisión. Madrid: Siglo Veintiuno Editores, 1986.

FOUCAULT, Michel. Enfermedad mental y personalidad. v. 41. Barcelona: Paidós Studio, 1984.

FOUCAULT, Michel. Microfísica del poder. 2. ed. v.1. Madrid: La Piqueta, 1980.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1993.

FOUCAULT, Michel. Historia de la locura en la época clásica. v. 1 y 2. México D. F: Fondo de Cultura Económica, 1979.

FRAGOSO, Rocio C.; GARCÍA, Bergona A. Aspectos psicodinâmicos de la personalidade del alcohólico. Universidade Pontifícia de Salamanca, Faculdade de Psicologia, Salamanca, 1976-77.

FREEDMAN, Jane. Feminismo ¿Unidad o conflicto? Narcea S.A. de ediciones, Mujeres, Madrid, 2004, 135 p.

FRIEDRICH, Karen; SOUZA, Murilo Mendonça Oliveira de; CARNEIRO, Fernando Ferreira (org.). Dossiê científico e técnico contra o Projeto de Lei do Veneno (PL 6.229/2002) e a favor do Projeto de Lei que institui a Política Nacional de Redução de Agrotóxicos – PNARA (PARTE 2). 2018. Associação Brasileira de Saúde Coletiva – ABRASCO Associação Brasileira de Agroecologia – ABA. Disponível em: https://www.abrasco.org.br/site/wp-content/uploads/2018/05/dossie_parte_2.pdf.

Acesso em: 23 set. 2018.

GALVÃO, Izabel. Henri Wallon: uma concepção dialética do desenvolvimento infantil. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

GAMIO, Manuel. Consideraciones sobre el problema indígena. México: Instituto Indigenista Interamericano, 1966.

GARCÍA, David Rodríguez. Alcohol y cerebro: motivos y secuelas de la conducta bebedora. Cádiz: Ediciones Absalon, España, 2012.

GARCIA, Kelly. Falta de demarcação de terras indígenas, gera crime e violência. Disponível em: http://diariodonordeste.globo.com/. Acesso em: 12 jun. 2014.

GARCIA, Fátima. Ceará em fotos e histórias. Disponível em: http://cearaemfotos.blogspot.com.br/2013/08/indigenas-do-ceara-lei-de terras.html. Acesso em: 05 maio 2015.

GARNELO, Luiza; LANGDON, Esther Jean. Saúde dos povos indígenas: reflexões sobre antropologia participativa. São Paulo: Associação Brasileira de Antropologia, 2012.

GATTI, B. Implicações e perspectivas da pesquisa educacional no Brasil contemporâneo.

Cadernos de Pesquisa, SP, n. 113, p. 65-82, jul. 2001.

GEERTZ, Clifford. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Tradução de Vera Mello Joscelyne. Petrópolis, Vozes, 1997.

GEERTZ, Clifford. Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura. In: A interpretação das culturas. Rio de janeiro: Zahar, 1978. p.13-41.

GIDDENS, Anthony. A constituição da sociedade. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

GLASER, B. y Strauss, A. The discovery of grounded theory: strategies for cualitative research. New York: Aldine Publishing Co. cap. III y V, 1967.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Márcia Bandeira de Mello Leite Nunes (Trad.). Rio de Janeiro: LTC, 1975.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luís. O social na psicologia e a psicologia social: a emergência do sujeito. 2 ed. Petrópoles, RJ: Vozes, 2009.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luís. O sujeito, a subjetividade e o outro na dialética complexa do desenvolvimento humano. In: O outro no desenvolvimento humano: diálogos para a pesquisa e a prática profissional em Psicologia. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004, p.1-27.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luís. Pesquisa cualitativa en psicología: rumbos y desafíos. São Paulo: Educ, 1999.

GORDILHO, Heron José De Santana. A dimensão constitucional dos indígenas nos países do Mercosul. Disponível em: http://www.cidp.pt/publicacoes/revistas/rjl b/2015/1/2015 _01_1065_1102.pdf. Acesso em: 17 mar. 2016.

GRUPIONI, Luís Donisete Benzi. Formação de professores indígenas: repensando trajetórias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2006.

GRUPIONI, Luís Donisete Benzi. Povos indígenas e tolerância: construindo práticas de respeito e solidariedade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001.

GUARESCHI, Neuza Maria de Fátima; MEDEIROS, Patrícia Flores; BRUSCHI, Michel Euclides. Psicologia Social e Estudos Culturais: rompendo fronteiras na produção do conhecimento. In: Psicologia social nos estudos culturais: perspectivas e desafios para uma nova Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 2003.

GUARESCHI, Pedrinho A.; CAMPOS, Regina Helena de Freitas. Paradigmas em Psicologia Social: a perspectiva latino-americana. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

GUEDES, Max Justo. A cartografia portuguesa de João Teixeira e a descripção de todo o marítimo da terra de S. Cruz, v. 2. São Paulo: Fundação Estudar, 2003. (Coleção Brasiliana).

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Classes, raças e democracia. 34. ed. São Paulo: Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo, 2002.

GUIMARÃES, Liliana A. M.; GRUBITS, Sonia. Alcoolismo e Violência em Etnias Indigenas: uma visão crítica da situação brasileira. Psicologia & Sociedade, 2007, p. 45- 51.

GUIMARÃES, Magno Carlos. Os quilombos, a noite e a aguardentes nas minas coloniais. In: CARNEIRO, Henrique; PINTO, Renato (orgs.). Álcool e drogas na história do Brasil. São Paulo: Alameda, 2005, p.93-122.

HABERMAS, J. Para a reconstrução do materialismo histórico. São Paulo: Brasiliense, 1983.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Rio de Janeiro: Vértice, 1990.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DPEA Editora, 2002.

HECK, Egon D. Criminalização dos povos indígenas: a nova face do velho colonialismo. In: Relatório Violências contra os povos indígenas no Brasil 2009. Conselho Indigenista Missionário, (CIMI) e Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, (CNBB) Brasília, 2009. Disponível em: http://www.cimi.org.br/pub/publicacoes/1280418665Relatorio%20de%20Violencia%20c ontra%20os%20Povo%20Indigenas%20no%20Brasil%20-%202009.pdf. Acesso em: 12 jun. 2016.

HECKMANN, Wolfgang y SILVEIRA, Camila Magalhães. Dependência do álcool: aspectos clínicos e diagnósticos. Disponível em: http://www.cisa. org.br/UserFiles/File/alcoolesuasconsequencias-pt-cap3.pdf. Acesso em: 10 out. 2015.

HELMAN, C.G. Introdução: a abrangência da antropologia médica. Cultura, Saúde e Doença. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.p. 21-29.

HUERTAS GARCÍA-ALEJO, Rafael. Los laboratorios de la norma: medicina y regulación social en el estado liberal. Barcelona: Octaedro, 2008.

HUERTAS GARCÍA-ALEJO, Rafael. El delincuente y su patología: medicina, crimen y sociedad en el positivismo argentino. Madrid: Consejo Superior de Investigaciones Científicas, 1991.

HUERTAS GARCÍA-ALEJO, Rafael. Locura y degeneración: psiquiatría y sociedad en el positivismo francés. Madrid: Consejo Superior de Investigaciones Científicas, Centro de Estudios Históricos, 1987.

HENRIQUES, Martha. É possível herdar traumas de nossos pais? BBC News Brasil. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/vert-fut-48139796. Acesso em: 20 jun. 2019.

INSTITUTO Socioambiental. Disponível em: http://www.socioambiental.org/. Acesso em: 10 ago. 2015.

IBASE. Educação escolar indígena em Terra Brasílis, tempo de novo descobrimento. Rio de Janeiro: IBASE, 2004.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2020. Indígenas. Disponível em: https://indigenas.ibge.gov.br/apresentacao-indigenas.html. Acesso em: 21 jun. 2020.

JANUARIO, Elias. A construção do currículo no 3º grau indígena: a etapa de estudo presencial. Cadernos de Educação Escolar Indígena. v. 3. Barra do Bugres: Universidade Estadual de Mato Grosso - UNEMAT, 2004.

JANUARIO, Elias. Ensino superior para índios: um novo paradigma na educação. Cadernos de Educação Escolar Indígena. v. 1. Barra do Bugres: UNEMAT, 2002.

JEDLOWSKI P. Collective memories. In: Proceedings of the eaesp small group meeting on collective memory: theoretical, methodological, and practical issues. Polignano a Mare, May 14-17. Bari: Edizioni Gius. Laterza, 1997.

JODELET, D. La representación social: Fenómenos, concepto y teoría. In: MOSCOVICI,

S. (org.). Psicologia Social, Barcelona: Paídos,1985.

KLEBA, Maria Elisabeth; WENDAUSEN, Agueda. Empoderamento: processo de fortalecimento dos sujeitos nos espaços de participação social e democratização política, 2009, vol.18, n.4, p.733-743. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010412902009000400016&script=sci_abstract&tl ng=pt. Acesso em: 05 jun. 2019.

LANGDON, J. E. O que beber, como beber e quando beber: o contexto sociocultural no alcoolismo entre as populações indígenas. In: Anais do Seminário sobre Alcoolismo e DST/AIDS entre os Povos Indígenas, 2001, p. 83-97.

LANGDON, J. E. Considerações antropológicas sobre programas de prevenção do abuso de álcool e outras substâncias. Florianópolis: Editora da Universidade Federal de Santa Catarina. Brasília: Secretaria de Políticas de Saúde, Ministério da Saúde, 2000.

LAPLANTINE, Francis. As principais tendências do pensamento antropológico contemporâneo. In: Aprender antropologia. São Paulo: Brasiliense, 2001. p.93-128.

LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. 3. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1988.

LEAL, Rosana Eduardo da Silva. O turismo desenvolvido em territórios indígenas sob o ponto de vista antropológico. In: BARTHOLO, Roberto; SANSOLO, Davis Gruber; BURSZTYN, Ivan. (orgs). Turismo de base comunitária: diversidades de olhares e experiências brasileiras. Rio de Janeiro: Letra e Imagem, 2009, p. 240-248.

LEVINE, Peter A. Uma voz sem palavras: como o corpo libera o trauma e restaura o bem-estar. Tradução de Carlos Silveira Mendes Rosa e Cláudia Soares Cruz. São Paulo: Summus, 2012.

LÉVI-STRAUSS C. A eficácia simbólica. In: Antropologia estrutural. 1 ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975. p. 215-235.

LEFEBVRE, Henry. Reflexiones sobre el estructuralismo y la historia. In: SAZBON, José.

Estructuralismo e historia. Buenos Aires: Nueva Visión, 1969.

LINTON, Ralph. Cultura y personalidad: breviarios del fondo de cultura económica. México: 1945.

LOMBROSO, Cesare. El delito sus causas y remedios. Madrid: Librería general de Victoriano Suárez, 1902.

LOMBROSO, Cesare. Medicina legal. Madrid: La España Moderna, 1900.

LOMBROSO, Cesare. Los anarquistas. Madrid: Est.Tip. Biblioteca Social Contemporánea, 1894.

LOMBROSO, Cesare. Los criminales. Barcelona: Presa, s/d.

LOPES, Miriam Bahia; LIMA, Eduardo de Sousa. A falsificação de vinho na cidade de Ouro Preto no século XIX. In: Álcool e drogas na história do Brasil. São Paulo: Alameda, 2005. p. 203-216.

LOWENTHAL, David. Como conhecemos o passado. In: Projeto História. São Paulo: EDUC, 1998.

LUCIANO, Gersem dos Santos. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade: LACED/Museu Nacional, 2006.

LUSTOSA, Isis Maria Cunha. Jenipapo-Kanindé da Lagoa Encantada, reelaboração étnica e território: transversalidades do turismo. Universidade Federal de Campina Grande (UF-CG). Raizes, v. 34, n. 2, jul-dez/2014.

MACHADO, MH. Macro-micro: os novos desafios da sociologia e os efeitos no campo da saúde. In: Dilemas e desafios das ciências sociais na saúde coletiva. São Paulo-Rio de Janeiro: Hucitec-Abrasco,1995. p. 83-93.

MAESTRO, Ángeles; HUERTAS GARCÍA-ALEJO, Rafael. La ofensiva neoliberal y la sanidad pública. Madrid: Fundación de Investigaciones Marxistas, 1991.

MAESTRO, Ángeles; HUERTAS GARCÍA-ALEJO, Rafael. La salud y el estado: los servicios sanitarios públicos entre el bienestar y la crisis.

v. 2. Madrid: Fundación de Investigaciones Marxistas, 1992.

MAHER, Terezinha de Jesus M. A formação de professores indígenas: uma discussão introdutória. In: GRUPIONI, Luís Donisete Benzi (org.). Formação de professores indigenas. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2006. p.11-37.

MAHER, Terezinha de Jesus M. Sendo índio em português. In: SIGNORINI, I. (org.) Língua(gem) e identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado. Campinas: Mercado das Letras, 1998, p.115-138.

MALINOWSKI, B. Um diário no sentido estrito do termo. Rio de janeiro: Record, 1967.

MARIZ, Clara. Incêndio atinge reserva indígena afetada por desastre da Vale. R7, jul. 2019. Disponível em: <https://noticias.r7.com/minas-gerais/incendio-atinge-reserva-indigena- afetada-por-desastre-da-vale-08072019>. Acesso em: 22 ago. 2019.

MARTÍNEZ, Albertina Mitjáns; SIMÃO, Lívia Mathias (orgs). O outro no desenvolvimento humano: diálogos para a pesquisa e a prática profissional em Psicologia. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

MARTINS, E. Palitot. Na mata do Sabiá. Fortaleza: Secretaria da Cultura do Estado do Ceará. 2009.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Traducción y edicción de Elisabeth Falomir Archambault. Espanha: Melusina, 2006. p. 09-75.

MEIHY, José Carlos Sebe. B. Manual de história oral. São Paulo: Loyola, 2005.

MEIHY, José Carlos Sebe. B. A colônia brasilianista: história oral de vida acadêmica. São Paulo: Nova Stella, 1990.

MELIÁ, Bartomeu. Educação indígena na escola. Cadernos CEDES, n. 49. Campinas: 2000.

MELIÁ, Bartomeu. Educação indígena e alfabetização. São Paulo: Loyola, 1979.

MELIÁ, Bartomeu. Conferência El guaraní, una língua indígena en el Estado latinoamericano actual: el Paraguay, realizada no Instituto Íberoamericano da Universidad de Salamanca, Espanha, 10 out. 2011.

MENDES, Cândido. Pluralismo cultural, identidade e globalização. Rio de Janeiro: Record, 2001.

MENÉNDEZ, L. Eduardo. Prefácio. In: Processos de alcoolização indígena no Brasil: perspectivas plurais. Organizado por Maximiliano Loiola Ponte de Souza. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2013.

MILAN, James R.; KETCHAM, Katherine. Alcoolismo: mitos e realidade. São Paulo: Nobel, 1986.

MINAYO, C. Construção da identidade da antropologia na área da saúde: o caso brasileiro. In: Alves e Rabelo (orgs.) Antropologia da Saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz/Relume Dumará, 1998. p. 29-46.

MINAYO, C. O conceito de representações sociais dentro da sociologia clássica. In: GUARESCHI, P.; JOVCHLOVICTH, S. (orgs.). Textos em representações sociais. Petropólis: Vozes. p. 89-111.

MORAES, Ricardo. A semana em que 47 indígenas brasileiros se uniram por um manifesto antigenocídio. El País. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2020-01-19/a- semana-em-que-47-povos-indigenas-brasileiros-se-uniram-por-um-manifesto-anti- genocidio-e-anti-ecocidio.html. Acesso em: 20 jun. 2020.

MOREIRA, Vânia Maria Losada. Os índios e o Império: história, direitos sociais e agenciamento indígena. In: XXV Simpósio Nacional de História, Simpósio Temático 36. Os índios na história, 2009. Disponível em: https://www.ifch.unicamp.br/ihb/Trabalhos/ST36Vania.pdf. Acesso em: 23 jan 2016.

MORIN, Edgar. El paradigma perdido: ensayo de bioantropologia. Barcelona: Editions Kairós, 1992.

MORIN, Edgar. O problema epistemológico da complexidade. Lisboa: Europa América, 1983

MORIN, Edgar. Ideias contemporâneas: entrevistas do Le Monde. São Paulo: Ática, 1984.

MORIN, Edgar. A religação dos saberes. 7. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: investigações em psicologia social. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

MOSCOVICI, Serge. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1978

MUNANGA, Kabengele. Diversidade, etnicidade, identidade e cidadania. Universidade Federal de São Carlos, 2005. Disponível em: http://www.npms.ufsc.br/programas/Munanga%2005diversidade.pdf. Acesso em: 27 out. 2017.

MUÑOZ, Justicia, Juan. Análisis cualitativo de datos textuales con ATLAS/TI. 5Universitat Autònoma de Barcelona noviembre de 2005. Disponível em: http://fcp.uncuyo.edu.ar/upload/Atlas5_manual.pdf. Acesso em: 10 maio 2015.

MUÑOZ, Justicia, Juan. Análisis cualitativo de datos textuales con ATLAS/TI. Barcelona: Universidad Autónoma de Barcelona. 2003.

MUÑOZ, Justicia, J.; Sahagún Padilla, M. A. Análisis cualitativo asistido por ordenador con ATLAS.Ti. In: IZQUIERDO C.; PERINAT A. (eds). Investigar en psicología de la educación: nuevas perspectivas conceptuales y metodológicas. Barcelona: Amentia, 2012.

NASCIMENTO, Dilene Raimundo do & CARVALHO, Diana Maul de (orgs). Uma história brasileira das doenças. Brasília: Paralelo 15, 2004.

NACIONES UNIDAS. Declaración de las Naciones Unidas sobre los derechos de los pueblos indígenas. 2008. Disponível em: http://www.un.org/esa/socdev/unpfii/documents/DRIPS_es.pdf. Acesso em: 05 jul. 2015.

NIMUENDAJU, C. As lendas de criação de destruição do mundo como fundamentos da religião Apapocúva-Guarani. São Paulo: Hucitec-Edusp. 1987.

NIMUENDAJU, C. O mapa etno histórico de Curt Nimemdaju. Rio de Janeiro: Fundação Nacional Pró-memória/IBGE. 1981.

OLIVEIRA, João Pacheco de. Hacia una antropología del indigenismo: estudios críticos sobre los procesos de dominación y las perspectivas políticas actuales de los indígenas en Brasil. Rio de Janeiro: Centro Amazónico de Antropología y Aplicación Práctica, 2006.

OLIVEIRA, João Pacheco de. Uma tentativa de reversão da tutela (e não de sua superação). In: Antropologia e ética: o debate atual no Brasil. Niterói: EdUFF, 2004.

OLIVEIRA, João Pacheco de. Uma etnologia dos “índios misturados”? situação colonial, territorialização e fluxos culturais. Mana, v. 4, n. 1, p. 47-77, 1998.

OLIVEIRA, João Pacheco de. A viagem de volta: reelaboração cultural e horizonte político dos povos indígenas no Nordeste. Rio de Janeiro: PPGAS/Museu Nacional/ UFRJ, 1993.

OLIVEIRA, João Pacheco de; FREIRE, Carlos Augusto da Rocha. A presença indígena na formação do Brasil. Brasília: Edições MEC/UNESCO, 2006. (Coleção Educação para Todos - Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade).

PARADA, Eugênio Lahera. Introduccion a las políticas públicas. Santiago (Chile): Fondo de Cultura Econômica, 2002;

PARAISO, Maria Hilda B. A Presença Indígena na Construção da Cidade do Salvador. In: GAMA, Hugo; NASCIMENTO, Jaime (orgs.). A urbanização de Salvador em três tempos: colônia, império e república. v. I. Salvador: Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, 2011. p. 33-52.

PARSONS, Talcott. Structure and process in modern societies. Glencoe, Illinois: The Free Press, 1960.

PINKER, Steven. Os anjos bons da nossa natureza: por que a violência diminuiu. Tradução de Bernardo Joffily e Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

PITTMAN, D.J. Alcoholismo, un enfoque interdiciplinario. Buenos Aires: Hormé, 1977.

PITTMAN, D.J.; C. R. SNYDER (Eds). Society Culture and Drinking Patterns. New York: Wiley Sons, 1962.

PRICE-WILLIAMS, Douglass R. Por los senderos de la psicología intercultural.

México: Fondo de Cultura Económica, 1980.

POL, Enric; VALERA, Sergi y VIDAL, Tomeu. Psicología ambiental y procesos psicosociales. Psicología Social. Madrid: McGraw-Hill, 1999, p. 317-334.

PRAGMATISMO Jurídico. Disponível em: http://www.pragmatismopolitico.com.br/2016/01/o-silencio-da-midia-em-tornodoas sassinato-brutal-de-um-bebe-indigena.html. Acesso em: 10 jan. 2016.

QUEIROZ, Delcele Mascarenhas. Universidade e desigualdade: brancos e negros no ensino superior. Brasília: Líber Livro Editora, 2004.

QUEIROZ, Delcele Mascarenhas. O negro na universidade. Programa A Cor da Bahia/Programa de Pós- Graduação em Ciências Sociais da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFBA. Salvador: Novos Toques, n.5, 2002, p.31.

QUEIROZ, Delcele Mascarenhas. Desigualdade racial no vestibular. In: Revista CEPAIA: Realidades Afro- Indigenas. Universidade do Estado da Bahia. Centro de Estudos das Populações Afro- Indo Americanas, v. 1. Salvador: UNEB, 2001, p. 23-28.

QUEIROZ, Delcele Mascarenhas. Desigualdades raciais no ensino superior: a cor da UFBA. In: QUEIROZ, D. M. et. al. (orgs.). Educação, racismo e antirracismo. Salvador: Programa A Cor da Bahia/Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UFBa, Salvador, 2000, p. 11- 44.

POVOS Indígenas no Brasil. Quadro geral dos povos indígenas no Brasil. Disponível em: http://pib.socioambiental.org /pt/c/quadro-geral. Acesso em: 12 jun. 2015.

QUILES, M. Mansidão de fogo: aspectos etnopsicológicos do comportamento alcoólico entre os Bororo. In: Anais do Seminário Sobre Alcoolismo e DST/AIDS entre os Povos Indigenas. Brasília: Ministério da Saúde, 2001, p. 166-179.

RABELO, Humberto. PEC 215: um retrocesso? Revista Direito Diário, 17 fev. 2016. Disponível em: https://direitodiario.com.br/pec-215-um-retrocesso. Acesso em: 20 jun. 2019.

RAMA, Luis Miguel B. Elementos para el estúdio polidimensional del alcoholismo. Universidad Pontificia de Salamanca, Facultad de Psicología, 1982.

RAMINELLI, Ronald. Da Etiqueta Canibal: beber antes de comer. In: CARNEIRO, Henrique; PINTO, Renato (orgs.). Álcool e drogas na história do Brasil. São Paulo: Alameda, 2005 p. 29-46.

REVUELA, Francisco Ignácio & DOMINGUEZ GÓMEZ, Maria Cruz Sánchez. Programas de analisis cualitativo para la investigacíon em espacios virtuales de formación. Universidade de Salamanca.

RIBEIRO, Antonio Silva Magalhães. Origens, cultura e tolerância social à corrupção do Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Hexis Editora, 2014.

RIBEIRO, Ricardo Ferreira. Tortuosas raízes medicinais: as mágicas origens da farmacopeia popular brasileira e sua trajetória pelo mundo. In: CARNEIRO, Henrique; PINTO, Renato (Orgs.). Álcool e drogas na história do Brasil. São Paulo: Alameda, 2005, p. 155-184.

RICOEUR, Paul. La lectura del tiempo pasado: memoria y olvido. Madrid: Universidad Autonoma de Madrid, 1998.

RÍOS, Marco Antonio Castillo. Reflexiones de Raúl Fornet-Betancourt sobre el concepto de interculturalidad. México: Consorcio Intercultural, 2004. ISBN 968-5927- 03-0. Disponível em: https://filosofiauacm.files.wordpress.com/2010/02/fornet- betancourt-concepto-de interculturalidad.pdf. Acesso em: 10 set. 2015.

ROCHA, Leandro Mendes. Etnicidade e Nação. Goiânia: Cânone Editorial, 2006.

ROCHA, Leandro Mendes. A política indigenista no Brasil: 1930-1967. Goiânia: Universidade Federal de Goiás (UFG), 2003.

RODRÍGUEZ GARCÍA, F. David. Alcohol y cerebro: motivos y séquelas de la conducta bebedora. 1 ed., Cádiz: Ediciones Absalon, 2010.

SALOMÃO, Ricardo Dantas Borges. Uma análise sobre o processo de territorialização, afirmação étnica e políticas indigenistas no caso dos índios Tuxá de Rodelas. Disponível em: http://www.laced.mn.ufrj.br/indigenismo/arquivos

/texto_ram_GT_12ricardo_dantas.pdf. Acesso em: 11 ago. 2012.

SAMPAIO, José Augusto L. Breve história da presença indígena no extremo sul baiano e a questão do território Pataxó do Monte Pascoal. In: Política Indigenista para o Nordeste e Leste do Brasil. Brasília: FUNAI, 2000, p. 25-60.

SANTOS, Fernando Sérgio D.; VERANI, Ana Carolina. Alcoolismo e medicina psiquiátrica no Brasil do início do século XX. História, ciência e saúde- Manguinhos, v.17, Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: www.scielo.com.br. Acesso em: 10 ago. 2016.

SANTOS, João Vitor. Demarcação de terras indígenas x latifúndios: a grande tramoia brasileira. [Entrevista com] Vincent Carelli. IHU On-Line: Revista do Instituto Humanitas Unisinos, São Leopoldo, ed. 546, 14 fev. 2018. Disponível em:http://www.ihu.unisinos.br/159-noticias/entrevistas/575966-demarcacao-de-terras-indigenas-x-latifundios-a-grande-tramoia-brasileira-entrevista-especial-com-vincent-carelli. Acesso em: 21 jun. 2019.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. São Paulo: Editora Record, 2004.

SANTOS, Sílvio Coelho dos. Os índios Xokleng, memória visual. Florianópolis, UFSC (Univali), 1997.

SARTORI, G. Comparación y método comparativo. In: SARTORI, G.; MORLINO, L. La comparación en las ciencias sociales. Madrid: Alianza, 1991. p. 29-49.

SARTORI, G. La política comparata: promessi e problema. Revista Italiana de Scienza Política, I, p.7- 66.

SENA, Consuelo Pondé. Os Tupinambá da Bahia: a política portuguesa à época do descobrimento. In: GAMA, Hugo; NASCIMENTO, Jaime (orgs.). A urbanização de Salvador em três tempos: colônia, império e república, v. I. Salvador: Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, 2011. p.13-29.

SHAPIRO, Francine. EMDR: desensibilización y reprocesamiento por medio de movimiento ocular. México D.F: Editorial Pax México, 2004.

SILVA, Aracy Lopes da; FERREIRA. Antropologia, história e educação: a questão indígena e a escola. 2. ed. São Paulo: Global, 2001

SILVA, S.B. Categorias sócio-cosmológico-identitárias indigenas recentes e Processos de consolidação de novos sujeitos coletivos de direito: os Charrrua e os Xokleng no Rio Grande do Sul. In: FREITAS, A.; FAGUNDES, L. F. C. (org). Povos indígenas na bacia hidrográfica do Lago Gauíba. Porto Alegre: Prefeitura de Porto Alegre, 2008.

SILVA, Antonio Pedro Ferreira da. O enquadramento previdenciário do índio no Brasil: análise da sua qualidade de segurado numa perspectiva crítica à luz da cidadania social. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Políticas Sociais e Cidadania da Universidade Católica do Salvador – UCSAL, Salvador, Bahia, 2015.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. Disponível em: http://ccs.ufpel.edu.br/wp/wp-content/uploads/2011/07/a-producao-social-da- identidade-e-da-diferenca.pdf. Acesso em: 17 ago. 2016.

SILVEIRA, Anny Jackeline Torres. Epidemia: evento ou narrativa. ANPUH – XXII Simpósio Nacional de História – João Pessoa, 2003. Disponível em: https://anpuh.org.br/uploads/anaissimposios/pdf/201901/1548177544_11c4e0e30180ed 9b45dd86a5222a6178.pdf. Acesso em: 15 abr. 2017

SNYDER, CH. R. Enfoque sociológico de la etiologia del alcoholismo. Buenos Aires: Hormé, 1977.

SODRÉ, Muniz, 2005. Por um conceito de minoria. Disponível em: http://www.ceap.br/material/MAT16042010145008.pdf. Acesso em: 05 maio 2017

SOUSA, Neimar Machado de. Guarani e Kaiowá: os condenados da terra. Conselho Indigenista Missionário – CIMI, 2015. Disponível em: https://cimi.org.br/2015/10/37816/. Acesso em: 05 abr. 2017.

SOUZA, J. A. & AGUIAR J. A. Alcoolismo em população Terena no Estado do mato Grosso do Sul – Impacto da sociedade envolvente. In: Anais do Seminário sobre alcoolismo DST/AIDS entre os povos indígenas. Brasília: Ministério da Saúde, 2001, p. 149-165.

SOUZA, Maximiliano Loiola Ponte de (org.). Processos de alcoolização indígena no Brasil: perspectivas plurais. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2013.

SOUZA, Maximiliano Loyola Ponte; GARNELO, Luiza. Desconstruindo o alcoolismo: notas a partir da construção do objeto de pesquisa no contexto indígena. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental. ano IX, n. 2, jun/2006.

SPINK, Peter Kevin. Pesquisa de Campo em Psicologia Social: uma perspectiva pós- construcionista. Psicologia & Sociedade, v. 15, n. 2, 2003. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-71822003000200003. Acesso em: 10 jun. 2019.

SPINK, Mary Jane P. Psicologia social e saúde: práticas, saberes e sentidos. Petropólis, RJ: Vozes, 2003

STRAUSS, A. y Corbin, J. (2002). Bases de la investigación cualitativa: técnicas y procedimientos para desarrollar la teoría fundamentada. Antioquia: Editorial de la Universidad de Antioquia. (Segunda Parte).

SUESS, Paulo. Fraternidade e povos indígenas. CF. Campanha da Fraternidade. 2002. Disponível em: http://www.vidapastoral.com.br/artigos/ temas-sociais/fraternid ade-e- povos-indigenas/. Acesso em: 04 maio 2017.

SZASZ, Thomas. Drogas y ritual: la persecución ritual de drogas, adictos e inductores. Traducción y prólogo de Antonio Escohotado. Primera edición en español. Madrid: Fondo de Cultura Económica, 1990.

TERRAS Indígenas no Brasil. Disponível em: http://ti.socioambiental.org/. Acesso em: 16 jun. 2015.

UNESCO. A declaração de princípios sobre a tolerância de 1995. Disponível em: http://portal.unesco.org/. Acesso em: 05 jul. 2015.

UNHCR ACNUR. La Agência de la ONU para los refugiados. Disponível em: http://www.acnur.org/. Acesso em: 10 ago. 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS. Educação para as relações etnicorraciais. Coordenação de Cristina de Cássia Pereira de Moraes. v. I. Goiânia: UFG/Ciar: FUNAPE, 2010. 76 p.

VALÉRIO, D. M. A intraculturalidade nas comunidades indígenas da região metropolitana de Fortaleza – CE – Brasil: caminho para o desenvolvimento e sobreculturalidade. Salamanca: Ediciones Vitor, 2016.

VALÉRIO, R. M. A pedagogia de Freire e Freinet e a prática dos Direitos Humanos: uma contribuição para as comunidades indígenas e quilombolas da cidade de Aquiraz- Brasil. Salamanca (España): Ediciones Universidad de Salamanca, 2017. (Colección Vitor).

VALÉRIO, R. M. TFM Aquiraz: uma cidade multicultural rumo à interculturalidade. Salamanca, Espanha: Universidad de Salamanca, 2014.

VENÂNCIO, Renato Pinto; CARNEIRO, Henrique (orgs.). Álcool e drogas na história do Brasil. São Paulo: Alameda, 2005.

VELASCO, Fernandez R. Esa enfermedad llamada alcoholismo. México: Trilllas, 1981

VIDEIRA, Antonio Augusto Passos. Transdisciplinaridade, interdisciplinaridade e disciplinaridade na história da ciência. Universidade de São Paulo, Departamento de Filosofia, vol. 2, n. 2, São Paulo: Scientiae Studia, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ss/v2n2/a09v2n2.pdf. Acesso em: 25 abr. 2016.

VITORES, Ana; VIVAS, Pep. La psicología colectiva de Maurice Halbwachs. Universitat Autònoma de Barcelona y Universitat Oberta de Catalunya. Rev. Athenea Digital, n. 8, 2005.

VITORIA, Francisco de. Doctrina sobre los indios. 3. ed. Edición. Traducción y estudio preliminar de Ramón Hernandez. Salamanca: Editorial San Esteban, 2009.

VYGOTSKY, Lev. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

VYGOTSKY, Lev. S. Los Métodos de investigación reflexológicas y psicológicos, v.1, Madrid: Visor Distribuciones, 1991.

VYGOTSKY, Lev. S. Formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

WALLON, Henri. Les origines du caractère chez l’enfant: les préludes du sentiment de pesonnalité. Paris: Boisvin, 1934.

WALLON, Henri. O espírito do capitalismo. In: A ética protestante e o espírito do capitalismo.

ed. São Paulo/Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1981.p.28-51.

WEBER, Max. Ensaios de sociologia. 5. ed. Tradução de Waltensir Dutra. LTC: Rio de Janeiro, 1982.

WILLIAMS, Raymond. Cultura. Tradução de Lólio Lourenço de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra S. A., 1992.

WUNDT, Wilhelm. Elemientos de psicología de los pueblos. Barcelona: Alta Fulla, 1990.

XIBERRAS, Martine. Les théories de l’exclusion. Paris: Meridiens Klincksieck, 1993.

Cubierta para Análise histórica da evolução do consumo de álcool entre indígenas do Brasil: um processo individual, coletivo e étnico
Publicado
julio 13, 2021
ISBN-13 (15)
978-84-1311-494-1
Fecha de publicación (01)
2021-07-13