A percepção da imprensa escrita de fortaleza - ce sobre o discurso de gênero dos políticos e igrejas cristãs

Autores/as:
Larissa Maria de Queiroz

Materias IBIC - BISAC

  • HRAM - Cuestiones y debates religiosos
  • HRLP1 - Líderes religiosos y espirituales
  • JFDV - Publicidad y sociedad
  • JFSJ - Estudios de género, grupos de género

Resumen

La Constitución brasileña de 1988 establece la igualdad entre los ciudadanos, sin discriminación de género, raza, etnia o clase social, pero, aun habiendo  pasado treinta años desde su aprobación, la Carta Magna  todavía  no ha alcanzado su objetivo esencial en lo  que concierne a la existencia de una sociedad igualitaria. Hay enormes dificultades de entendimiento en Brasil cuando se habla sobre  la implementación de los derechos humanos, incluidos los de  las mujeres. La agenda política sobre los derechos de  éstas ha alentado un acalorado debate sobre la pertinencia o  improcedencia de la perspectiva de género y   del concepto de "violencia de género"  y sobre las leyes y las acciones que deben tomarse para minimizar  o eliminar esta  lacra. Estudiamos el desarrollo de este debate en Fortaleza/Ceará/ Brasil, tratando de establecer las causas de su  sesgo patriarcal y  conservador, la identidad de los más importantes  modeladores de la opinión  pública  y  su impacto  en  el  colectivo  social y  en las políticas educativas. Para explorar el tema abordado, se eligieron los siguientes métodos cualitativos: entrevistas  semi-estructuradas y  abiertas  con  diversos líderes religiosos cristianos (evangélicos y católicos), seleccionados por   su influencia en  la  población  de la ciudad de Fortaleza;    análisis  cualitativo de lo publicado sobre la cuestión  que nos ocupa en los  medios impresos del Estado de Ceará y de lo recogido en  otros documentos,  analizados con las técnicas del análisis del contenido de discurso, todo  ello  con  "perspectiva de género" y enfoque de derechos humanos. Aunque Brasil ha ratificado, entre otras convenciones internacionales, la Convención sobre la Eliminación de todas las Formas de Discriminación Contra la Mujer (CEDAW), de la que sigue la obligación de luchar por la igualdad de género y contra la violencia de género, así  como La Convención Interamericana para Prevenir, Sancionar y Erradicar la Violencia contra la Mujer, conocida también como la Convención Belém do Pará, que opera en el  mismo sentido, las iglesias cristianas se unen  para explicitar su  posicionamiento condenatorio de la perspectiva de género, olvidando, para este caso, su competencia por la captación de la feligresía religiosa, con el objetivo de influir y diseminar valores conservadores de los que ambas familias religiosas se benefician. La comparación efectuada de los discursos de los  diecinueve líderes de las  iglesias evangélica  y católica entrevistados con los de la  influyente prensa escrita activa en la ciudad son reveladores de  su conexión y  de su acuerdo para neutralizar, distorsionar y despreciar abiertamente el discurso internacional sobre los derechos humanos y,  por ende,  el articulado por el sistema mundial y el  regional americano de los derechos humanos  sobre  los derechos  de las mujeres. Las  responsabilidades al efecto de la prensa son muy grandes y, en lo  concierne  a la educación,  muy graves. Los Planes de Educación (municipal, estatal y federal) y la Base Curricular Común Nacional son ejemplo de una política educativa  que refleja  el impacto del conflicto de fuerzas entre el pensamiento conservador y el pensamiento progresista,  que, a la postre, dificulta el desarrollo de los derechos de la mujer. Hemos podido  establecer que  una percepción mediatizada y  ultraconservadora  de la etiología de la violencia contra la mujer, orienta  y lastra en Fortaleza la aplicación el Plan Nacional de Educación actual, dificultando la  difusión y  asunción  por medio de la educación del paradigma internacional  de los derechos humanos y  de la perspectiva de género.  En suma: La ignorancia, desprecio u hostilidad hacia la perspectiva de género de los líderes religiosos cristianos, su voluntad de mantenerse alejados  de cualquier debate sobre la igualdad entre hombres y mujeres, recogida  en el  discurso  de los medios de comunicación  más populares,  repletos de juicios de valor conservadores  (visiblemente machistas por ausentarse del debate), conforman una sociedad distante de las ideas de igualdad de género, alimentando el conformismo con el status quo y debilitando o simplemente orillando la lucha para erradicar la violencia contra la mujer en el espacio investigado.

Biografía del autor/a

Larissa Maria de Queiroz, Universidad de Salamanca

-

Citas

A Bíblia Sagrada: Antigo e Novo Testamento (1969). Sociedade Bíblia do Brasil.

Abant. (2015) Manifesto pela Igualdade de Gênero na Educação. Recuperado de www.portal.abant.org.br/images/Noticias/.

Agência Senado (2017, 26 julho). Mais de 350 mil internautas já opinaram sobre o programa Escola Sem Partido. Senado (versão digital). Recuperado de 350-mil- internautas-ja-opinaram-sobre-o-programa-escola-sem-partido/tablet.

Aguiar, N. (1997). Gênero e Ciências Humanas: desafio às ciências desde a perspectiva das mulheres. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos.

Algranti, L. M. (1993). Honradas e devotas: mulheres da colônia. Condição feminina nos conventos e recolhimentos do sudeste do Brasil, 1750-1822. Rio de Janeiro: José Olympio.

Almeida, H. B. (2012). Aborto: o grande tabu no Brasil. Católicas pelo Direito de Decidir. Recuperado de http://www.catolicas.org.br/noticias/conteudo.asp? cod=340.

Althusser L. (2007). Aparelhos Ideológicos de Estado. São Paulo: Graal.

Alves, B. M. (1980). Ideologia & feminismo. A luta da mulher pelo voto no Brasil.

Petrópolis: Vozes.

Alves, J.A.L (2005). Os direitos humanos na Pós-Modernidade. São Paulo: Perspectiva.

Alves, M. M. (1979). A Igreja e a política no Brasil. São Paulo: Brasiliense.

Aquino, L. M. S. (2015). Formulação do Plano Nacional de Educação 2014-2024: a gestão democrática da escola na política pública. Doutorado em Educação. Porto Alegre, RS: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Arendt, H. (1963). On revolution. New York: The Viking Press. Arendt, H. (1990). Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva.

Arendt, H. (1993). A dignidade da política: ensaios e conferências. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Athayde, T. D. (1931). Debates pedagógicos. Rio de Janeiro: Schmidt, 67-106.

Azevedo, D. (2004). A Igreja Católica e seu papel político no Brasil. Estudos avançados, 18(52), 109-120. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S0103-

Balmes, J. (1988). A Igreja Católica em face da escravidão. São Paulo: Centro Brasileiro de Fomento Cultural.

Bandeira, L. M. (2014). Violência de gênero: a construção de um campo teórico e de investigação. Soc. Estado. (29)2: 449-469. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69922014000200008.

Barbalho, J. (1924). Constituição Federal brasileira comentada. Rio de Janeiro. Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Barretto, V. P. (2001). Da Interpretação à Hermenêutica Constitucional. Direito e Justiça (Faculdade de Direito da PUC/RS). Porto Alegre.

Bastos, M. (2018). Mulheres cristãs baseiam em sua fé defesa dos direitos reprodutivos e do aborto legal. Gênero e Número. (On-line). Recuperado de http://www.generonumero.media/mulheres-cristas-baseiam-em-sua-fe-defesa- dos-direitos-reprodutivos-e-do-aborto-legal/

Batista, V. (2017) Justiça usa educação para reduzir machismo e violência doméstica. Correio Braziliense - blog do servidor. Recuperado de http://blogs.correiobraziliense.com.br/servidor/justica-usa-educacao-para- reduzir-machismo-e-violencia-domestica/.

Beauvoir, S. D. (1967). O segundo sexo: a experiência vivida. Tradução de Sérgio Milliet.

Berguer, P. (1985). O dossel sagrado: elementos para uma teoria sociológica da religião. 3a ed. São Paulo: Paulus.

Betim, F. (2017). Cura gay‘: o que de fato disse o juiz que causou uma onda de indignação. El país Brasil, (On-line). Recuperado de https://brasil.elpais.com/brasil/2017/09/19/politica/1505853454_712122.amp.ht ml

Blog da Dra. Silvana. (2020). Recuperado de http://deputadasilvana.blogspot.com.

Blog Marielle Franco. (2020). Recuperado de https://www.mariellefranco.com.br/quem-e-marielle-franco-vereadora.

Bobbio, N. (1998). Verbete –Ideologia–. In: Bobbio, N.; Matteucci, N. & Pasquino, G. Dicionário de Política. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Bobbio, N. (1909). A era dos direitos. Tradução Carlos Nelson Coutinho. Apresentação de Celso Lafer. Rio de Janeiro: Elsevier.

Bobbio, N. (1987). O Estado, formas de estado, formas de governo. Brasília: Instituto Tancredo Neves.

Boltanski, L. (2012). As dimensões antropológicas do aborto. Revista Brasileira de Ciência Política, (7), 205-245. Recuperado de https://dx.doi.org/10.1590/S0103- 33522012000100010.

Borges, J. P. (2013). Padre Cícero, entre a política e a religião. Revista Fórum (online), (6721) 9. Recuperado de http://www.revistaforum.com.br/2013/01/09/padre-cicero-entre-a-politica-e-a-religiao/.

Bourdieu, P. (1999). A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Bourdieu, P. (1999). A Economia das Trocas Simbólicas. Trad. Sergio Miceli & outras/os. São Paulo: Perspectiva.

Bourdieu, P. (2004). O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil (7). Bourdieu, P. (2001) Masculine Domination. Cambridge: Polity Press.

Bourgois, P. (2004) The Everyday Violence of Gang Rape. In: Scheper-Hughes, N. & Bourgois, P. Violence in War and Peace: An Anthology, Malden, MA, Blackwell, 343-348.

Brasil (1824). Constituição Política do Império do Brasil. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao24.htm.

Brasil (1891). Constituição Federal de 1891. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao91.htm.

Brasil (1988). Constituição da Republica Federativa do Brasil. Senado Federal.

Brasil (2002). Decreto nº 4.377, de 13 de setembro de 2002. Promulga a Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher, de 1979, e revoga o Decreto no 89.460, de 20 de março de 1984. Dispo Recuperado de http:// http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/D4377.htm.

Brasil (2006). Lei Maria da Penha. Lei N.°11.340, de 7 de agosto.

Brasil (2014). Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação- PNE e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm.

Brasil (2015). Lei do Feminicído. Lei nº 13.104, de 9 de março de 2015.

Brasil. Supremo Tribunal Federal. (2016). Habeas Corpus 124.306. Rio de Janeiro. Voto Vista – Ministro Luís Roberto Barroso. 29 de novembro.

Brasil (2017). Base Nacional Comum Curricular BNCC. Recuperado de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez- site.pdf.

Brasil (2017). Portaria n.15, de 8 de março de 2017. Institui a Política Judiciária Nacional de enfrentamento à violência contra as Mulheres no Poder Judiciário e dá outras providências. Recuperado de http://www.cnj.jus.br/files/conteudo/arquivo/2017/03/48676a321d03656e5e3a4f 0aa3519e62.pdf.

Brasil (2019). Lei 13.796, 03 de janeiro de 2019. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), para fixar, em virtude de escusa de consciência, prestações alternativas à aplicação de provas e à frequência a aulas realizadas em dia de guarda religiosa. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2019- 2022/2019/Lei/L13796.html.

Bruneau, T. (1974). O catolicismo brasileiro em época de transição. São Paulo: Loyola.

Burity, J. A. (2005) Religião e política na Fronteira: desinstitucionalização e deslocamento numa relação historicamente polêmica. Revista de Estudos da Religião, (4): 27-45.

Calado, M. A. G. (2010). A laicidade estatal face à presença de símbolos religiosos em órgãos públicos. Jus Navigandi, Teresina, (15): 2565, jul. Dispo Recuperado de http://jus.com.br/artigos/16962.

Campos, R. B. C., & Gusmão, E. H. (2010). Religião em movimento: relações entre religião e modernidade. Revista de Antropologia, Campos, 11(1).

Candau, V. L. (2008). Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. Rev. Bras. Educação, Rio de Janeiro, 3(37).

Casanova, J. (1999). Religiones públicas e privadas. In: Auyero, J. Cája de herramientas. Buenos Aires.

Castro, G. (2015). Ministério da Educação cede à pressão de religiosos e destitui o Comitê de Gênero. Brasilpost (versão digital), set. Recuperado de http://www.brasilpost.com.br/2015/09/23/mec-comite-genero_n_8184294.html.

Cerqueira, D., & Coelho, D. D. S. C. (2017). Estupro no Brasil: uma radiografia segundo os dados da Saúde. Brasília: IPEA.

Cifuentes, R. L. (1989). Relações entre a Igreja e o Estado: a Igreja e o Estado à luz do Vaticano II, do Código de Direito Canônico de 1983 e da Constituição Brasileira de 1988. Rio de Janeiro: José Olympio.

Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB (2015). Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil 2015-2019. (Documentos da CNBB, 102). São Paulo: Paulinas.

Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB (2018). Aborto: leia as íntegras dos discursos da CNBB no STF. (On-line). Recuperado de http://www.cnbb.org.br/aborto-leia-as-integras-dos-discursos-da-cnbb-no-stf/

Comparato, F. K. (2006). Ética: direito, moral e religião no mundo moderno. São Paulo: Companhia das Letras.

Comparato, F. K. (2017). A Afirmação Histórica dos Direitos Humanos. São Paulo: Saraiva.

CONIC (2018). Conselho Nacional das Igrejas Cristãs do Brasil. (On-line).

Recuperado de https://www.conic.org.br/.

Correio Braziliense (2019). Feminicídios e tentativas de assassinato disparam no Brasil em 2018. (On-line). Recuperado de https://www.correio braziliense.com.br/app/noticia/brasil/2019/01/08/interna-brasil,729519/ feminicídios-e-tentativas-de-assassinato-disparam-no-brasil-em-2018.

Cretella Jr., J. (1967). Curso de filosofia do direito. São Paulo: José Bushatsky.

Cristaldo, H. (2015). Queixas de violência doméstica pelo 180 aumentam 133% este ano em relação a 2015. Revista Agência Brasil. Recuperado de http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2016-08/queixas-de-violencia- domestica-pelo180-aumentam-133-este-ano-em-relacao-2015.

Dallari, D. de A. (2010). Direitos humanos e cidadania. São Paulo: Moderna. Dantas, C. & Paulo, P. P. (2015). Uma em cada 5 mulheres já foi vítima de violência; saiba como denunciar. G1 São Paulo (On-line). Recuperado de http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2015/11/uma-em-cada-5-mulheres-ja-foi- vitima-de-violencia-saiba-como-denunciar.html

Diniz, D; Medeiros, M. & Madeiro, A. (2017). Pesquisa Nacional de Aborto 2016. Ciência e Saúde coletiva (22) 2: 653-660. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017222.23812016.

Dreher, M. N. (1994). A Igreja no Mundo Medieval. Sinodal, São Leopoldo (6) 2.

Duarte, L. F. et al. (2007). Entre o público e o privado. A influência dos valores religiosos na tramitação de Projetos de Lei no Brasil. Relatório de Pesquisa. São Paulo: PROSARE/CCR/MacArthur, mimeo.

Emmerick, R. (2010). As relações Igreja/Estado no Direito Constitucional Brasileiro. Um esboço para pensar o lugar das religiões no espaço público na contemporaneidade. Sexualidad, Salud y Sociedad-Revista Latinoamericana. Recuperado de http://www.e- publicacoes.uerj.br/index.php/SexualidadSaludySociedad/article/view/383/822

Engels, F. (1924). El origen de la familia, de la propiedad privada y del Estado. Ediciones Akal.

Escola sem Partido (2018). Site da internet. Recuperado de http://www.escolasempartido.org.

Esquivel, J. C. (2008). Laicidades relativas: avatares de la relación Estado-iglesia en Brasil. Los retos de laicidad y la secularización en el mundo contemporáneo. México, DF: El Colegio de México, Centro de Estudios Sociológicos.

Falcon, F. J. C. (1994). Iluminismo. São Paulo: Ática. Fausto, B. (1996). História do Brasil. São Paulo: Edusp.

Favretto, A. (2017). Evangélicos e católicos se unem e criam ação contra a ideologia de gênero. Sempre Família (página de internet). Recuperado de https://www.semprefamilia.com.br/evangelicos-e-catolicos-se-unem-e-criam- acao-contra-a-ideologia-de-genero/

Felipe, J. (2009). Gênero, sexualidade e formação docente: uma proposta em discussão. In Xavier Filha, C. Educação para a sexualidade, para a equidade de gênero e para a diversidade sexual. Campo Grande/MS: UFMS. (1) 1: 45-55.

Felipe, J. (2016).Maus-tratos emocionais e formação docente. Entrelaçando gênero e diversidade: violências em debate. Curitiba: Ed. UTFPR.

Fernandes, C. (2017). Família patriarcal no Brasil. Revista Brasil Escola. Recuperado de http://brasilescola.uol.com.br/historiab/familia-patriarcal-no- brasil.htm.

Fernandes, M. (2018). STF inicia debate sobre descriminalização do aborto até 12ª semana de gravidez. Agência Huffpost. Recuperado de https://www.huffpostbrasil.com/2018/08/03/stf-inicia-debate-sobre- descriminalizacao-do-aborto-ate-12a-semana-de- gravidez_a_23493221/?utm_hp_ref=br-homepage

Filgueiras, F. (2009). A tolerância à corrupção no Brasil: uma antinomia entre normas morais e prática social. Opinião Pública, 15(2), 386-421. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S0104-62762009000200005.

Fiorin, J. L. (1990). Tendências da análise do discurso. Estudos Linguísticos (19): 173-179.

Firestone, S. (1976). La dialéctica del sexo. São Paulo: Kairós.

Fonseca, A, C. de J. M. & Rosa, M. G. S. (2008). Considerações sobre violência doméstica, gênero e o trabalho das equipes de saúde da família. Rev. Esc. Enfermagem - USP, 42 (3): 591-5.

Foucault, M. (1986). Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária. Foucault, M. (1996) Ordem do Discurso. São Paulo: Loyola.

Fragoso, H. (1992). A Igreja na formação do Estado liberal. História da Igreja no Brasil. Petrópolis: Vozes.

Freire, P. (1997). Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Cortez.

Freston, P. (1994). Evangélicos na política do Brasil: História ambígua e desafio ético. Curitiba: Encontrão.

Frezzatti J., Wilson A. (2011). A construção da oposição entre Lamarck e Darwin e a vinculação de Nietzsche ao eugenismo. Sci. stud. Net., (9) 4, pp.791-820. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S1678-31662011000400004.

Funari, P. P. (2012). As religiões que o mundo esqueceu: como egípcios, gregos, celtas, astecas e outros povos cultuavam seus deuses. São Paulo: Contexto.

Gadotti, M. (2000). Escola cidadã educação pela cidadania. Recuperado de acervo.paulofreire.org.

Galli, B; Sydow, E. & Adesse, L. (2010) Autonomia reprodutiva em questão: relatos de mulheres sobre aborto e estigma em Mato Grosso do Sul. Rio de Janeiro: Ipas Brasil. Recuperado de http://www.aads.org.br/wp/wpcontent/uploads/2011/06/MS_Casos2010.pdf 17.

GDE: Gênero e Diversidade na Escola. (2009). Módulo 3, Sexualidade e orientação sexual, Unidade 1, Texto 1: Homem ou mulher, que pergunta é essa? Ministério da Educação, UFPA.

Geertz, C. (1989). A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LCT. Gil, A.C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Gill, A. C. (2004) Voicing the Silent Fear: South Asian Women’s Experiences of Domestic Violence. The Howard Journal of Criminal Justice, (43) 5 465–483.

Gomes, F.(1995). Histórias de Quilombolas: mocambos e comunidades de senzalas no Rio de Janeiro - século XIX. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional.

Grossi, P., & Aguinski, B. (2001). Por uma nova ótica e uma nova ética na abordagem da violência contra mulheres nas relações conjugais. Violências e gênero: Coisas que a gente não gostaria de saber, 19-45.

Grupo Gay da Bahia (2015). Relatório 2013- 2014. Recuperado de https://homofobiamata. files.wordpress.com/2015/01/relatc3b3rio- 2014s.pdf.

Habermas, J. (2007) Entre Naturalismo e Religião: estudos filosóficos. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Haidar, F. H; Oliveira, U. F. & Nascimento, L. F. (2001). Escolaridade materna: correlação com os indicadores obstétricos. Cadernos de Saúde Pública, 17: 1025-1029.

Haidar, R. (2012) O direito de não ser um útero à disposição da sociedade: aborto legal pela vida das mulheres. Recuperado de http://www.conjur.com.br/2012- abr-17/direito-mulher-nao-utero-disposicao-sociedade

Hannah A. (2012). Ideias que chocaram o mundo. Direção de Margarethe von Trotta. Alemanha, Luxemburgo, França, Israel. (113 min.). Título original: Hannah Arendt.

Herkenhoff, J. B. (1994). Curso de Direitos Humanos – Volume I (Gênese dos Direitos Humanos). São Paulo: Acadêmica.

Hervieu-Léger, D. (2008). O peregrino e o convertido: a religião em movimento.

Petrópolis: Vozes.

Hirata, H. (2010). Mundialização, divisão sexual do trabalho e movimentos feministas transnacionais. Revista Feminista, Recife (2).

Hooks, B. (1997). Violence in intimate relationships: A feminist perspective‘ in O‘Toole, L. and Schiffman, J. R. (1997) Gender violence: Interdisciplinary perspectives. New York: New York University Press.

Houaiss, A., Villar, M., & Franco, F. M. (2001). Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva.

Humans Rights Watch HRW. (2017). Relatório Brasil. (On-line). Recuperado de https://www.hrw.org/pt/world-report/2018/country-chapters/313303.

Hunt, L. (2009). A invenção dos direitos humanos uma história. Tradução Rosaura Eichenberg. São Paulo: Companhia das Letras.

Instituto Brasileiro de Geografia e estatística - IBGE (2012). Violência contra a mulher. Novembro. Recuperado de http://teen.ibge.gov.br/noticias-teen/2822- violencia-contra-mulher.

Instituto Brasileiro de Geografia e estatística - IBGE (2018). Estatísticas de Gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil. Estudos e Pesquisas- Informações demográficas e socioeconômicas (38). Recuperado de https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101551_informativo.pdf

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP (2018). Sinopse de estatísticas da Educação Básica. Recuperado de http://inep.gov.br/sinopses- estatisticas-da-educacao-basica.

Instituto Avon/Data Popular (2013). Percepções dos homens sobre a violência doméstica contra a mulher. Recuperado de http://centralmulheres.com.br/data/avon/Pesquisa-Avon-Datapopular-2013.pdf.

Instituto de Pesquisa Econômico Aplicada – IPEA (2013). Diversas pesquisas. Brasília. Recuperado de http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/dides/140506_relatoriodeat ividadesipea2013.pdf.

International Women‘s Health Coalition - IWHC (2016). Annual Report 2016. Recuperado de https://iwhc.org/wpcontent/uploads/2017/05/IWHC-2016- AnnualReport.pdf.

Johnson, A. G. (1997). Dicionário de sociologia. Zahar. Rio de Janeiro.

Knippel, E. L. & Nogueira, M. C. A. (2010). Violência doméstica – A Lei Maria da Penha e as normas de direitos humanos no plano internacional. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris.

Lafer, C. (1995). A ONU e os direitos humanos. Estudos avançados, 9(25), 169-185.

Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40141995000300014.

Lauretis, T. (1987). A tecnologia do gênero. Technologies of gender, Indiana University Press, 1-30. Recuperado de http://www.scribd.com/doc/81873993/A- Tecnologia-do-GeneroTeresa-de-Lauretis.

Lima, H. (2015). Evangélicos representam tradicionalismo moral contra lutas de excluídos. Rede Brasil Atual (On-line). Recuperado de http://www.redebrasilatual.com.br/politica/2015/04/bancada-evangelica- influenciaate- deputados-catolicos-1215.html

Lima, O. (1956). O Império brasileiro, p. 162, cit. Costa, J. C Contribuição à história das ideias no Brasil. Rio de Janeiro: Graal.

Lolatto, S. & Lisboa, T, K. (2013) Profissionais de Serviço Social frente à questão do aborto – a ética em debate. Revista Bagoas, 09: 65-85. Recuperado de https://periodicos.ufrn.br/bagoas/article/view/4656.

Lopes, R. (2008). Ceticismo e Vida contemplativa em Nietzsche. Belo Horizonte: UFMG.

Louis, M. V. (2006). Diga-me: o que significa gênero? Sociedade e Estado, 21 (3), 711-724. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69922006000300008.

Louro, G. L. (1997). Gênero, sexualidade e educação. Uma perspectiva pós- estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes.

Macedo, M. (2002). Relações de gênero no contexto urbano: um olhar sobre as mulheres. In: Macedo, M. (2002). Perspectivas de Gênero: Debates e questões para as ONGs.

Machado, C. (2013). É muita mistura: projetos religiosos, políticos, sociais, midiáticos, de saúde e segurança pública nas periferias do Rio de Janeiro. Religião e Sociedade, (33) 2 13-36.

Mariano, R. (2011). Laicidade à brasileira. Católicos, pentecostais e laicos em disputa na esfera pública. Civitas-Revista de Ciências Sociais, 11 (2).

Mariconda, P. R. (1997). A questão da autonomia da ciência em Galileu. In: II Encontro de Estudos Filosóficos do Século XVII. Anais [...]. São Paulo, 26 de maio.

Martinez, S. D.T (2008). Violência Institucional: Violação dos Direitos Humanos da Mulher. In: II Fórum de Violência contra a mulher. Anais [...]. Presidente Prudente, 2008. Recuperado em http://www. recriaprudente. org. br/site/abre_artigo. asp.

Gaspar. L. (2018). Nosso Mandato. Recuperado em https://larissagaspar.com.br/nosso-mandato.

Mariano, R. (2003). Efeitos da Secularização do Estado, do pluralismo e do mercado religiosos sobre as igrejas pentecostais. Civitas, Porto Alegre, 3(1), 111-125.

Martínez Quintero, M. E. (2016). “El discurso de los derechos humanos en perspectiva histórica. El síndrome de la Torre de Babel”, en Pando Ballesteros, Paz; Muñoz Ramírez, Alicia y Garrido Rodríguez Pedro: Pasado y presente de los Derechos Humanos, mirando al futuro, Madrid, La Catarata.

Mattar, L. D. (2008). Reconhecimento jurídico dos direitos sexuais: uma análise comparativa com os direitos reprodutivos. Sur, Revista Internacional de Direitos Humanos, (5) 8: 60-83. Recuperado em http://dx.doi.org/10.1590/S1806- 64452008000100004.

Mead, M. (1935). Sex and temperament in three primitive societies. New York: William Morrow.

Melo, S. L. (2010). A religiosidade no Brasil colonial: o caso da Bahia (séculos XVI-XVII). Dissertação (Mestrado em Ciência das Religiões) - Universidade Federal da Paraí•ba, João Pessoa.

Mendez, J. E. (1998). Proteção Internacional dos Direitos Humanos. In: Direitos Humanos no Século XXI, Seminário Direitos Humanos no Século XXI. Anais [...]. 10 e 11 de setembro de 1998, Rio de Janeiro.

Menezes C., T., Gonçalves Nitschke, R., Mendonça Lopes, R. L., Pereira Gomes, N., & Freire Diniz, N. M. (2015). Cotidiano de mulheres com história de violência domestica e aborto provocado. Texto & Contexto Enfermagem, 24(1).

Menezes, A. R. S., & Milani, G. D. Direitos Humanos em tempos de barbárie. Revista Publicum, 3(1), 134-156.

Menezes, G. & Aquino, E. M. L. (2009). Pesquisa sobre o aborto no Brasil: avanços e desafios para o campo da saúde coletiva. Caderno de Saúde Pública. Recuperado em http://www.scielo.br/pdf/csp/v25s2/02.pdf.

Ministério da Saúde (2017). Datasus. Informações de Saúde. PNS – Pesquisa Nacional de Saúde – 2017: módulo de cobertura de mamografia entre mulheres de 50 anos ou mais. Brasília (DF). Recuperado em http:// tabnet.datasus.gov.br/cgi/ deftohtm.exe?pns/pnskb.def

Monteiro, P. (2003). Max Weber e os dilemas da secularização: o lugar da religião no mundo contemporâneo. Novos Estudos Cebrap, (65): 34-44.

Moore, H. L. (1991). Antropología y feminismo (Vol. 3). Universitat de València. Moraes, R. (1999). Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre (22) 37: 7-32.

Mouffe, C. Religião, democracia liberal e cidadania. In: Burity, J. A. & Machado, M. D. C. (2006). Os Votos de Deus. Evangélicos, política e eleições. Recife: Fundação Joaquim Nabuco.

Nascimento Filho, A. J. (2005). Bartolomeu de Las Casas, um cidadão universal: uma questão de alteridade com os povos do Novo Mundo. São Paulo: Loyola,

Natividade, M. (2006). Homossexualidade, gênero e cura em perspectivas pastorais evangélicas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 21(61), 115-132. Recuperado em http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69092006000200006.

Natividade, M. (2016). Uma homossexualidade santificada? Etnografia de uma comunidade inclusiva pentecostal. Relig. soc., (30) 2: 90-121 Recuperado em http://dx.doi.org/10.1590/S0100-85872010000200006.

Nicholson, L.; Soares, L. F. G. & de Lima Costa, C. (2000). Interpretando o gênero. Estudos feministas, 9-41.

Nicolazzi, F.F. (2016). Qual o partido da escola sem partido? Revista do LHISTE, Porto Alegre, RS (3) 5: 82-85.

Observatorio Género y Equidad. (2016) Uruguay: no registra muertes por aborto desde que es legal. Recuperado em http://www.observatoriogeneroyequidad. cl/index.php/bloc-mainmenu-9/26-novedades/7164- uruguay-no-registra- muertes-por-abortodesde-que-es-legal.

Oliveira Filho, J. (1968). Origem cristã dos direitos fundamentais do homem. Porto Alegre: Forense.

Oliveira, F. R. C. (2011) Religião e participação política: considerações sobre um pequeno município brasileiro. E-cadernos CES, 13. Recuperado em http://journals.openedition.org/eces/568.

Oliveira, A. C. G., & de Oliveira, R. P. (1977). O Cristianismo e a Escravatura no Império Romano. Humanitas Coïmbra, 29, 145-203. Recuperado em https://www.uc.pt/fluc/eclassicos/publicacoes/ficheiros/humanitas29/30/07_Oliv eiras.pdf.

Organização das Nações Unidas - ONU (1979). Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra as mulheres - CEDAW. Recuperado em http://www.onumulheres.org.br/wp- content/uploads/2013/03/convencao_cedaw1.pdf.

Organização das Nações Unidas - ONU (2016). Organização das Nações Unidas. Saúde sexual e reprodutiva é inseparável dos outros direitos humanos, destacam especialistas da ONU. Recuperado em https://nacoesunidas.org/saude-sexual-e- reprodutiva-einseparavel- dos-outros-direitos-humanos-destacam-especialistas- da-onu/.

Organização das Nações Unidas - ONU (2017). Organização das Nações Unidas. OMS: proibição não reduz número de abortos e aumenta procedimentos inseguros. (On-line). Recuperado em https://nacoesunidas.org/oms-proibicao- nao-reduz-numero-de-abortos-e-aumenta-procedimentos-inseguros/

Organização das Nações Unidas - ONU MUJERES (2018). Recuperado em http://lac.unwomen.org/es.

Pasinato, W. (2011). “Femicídios” e as mortes de mulheres no Brasil. Cad. Pagu, (37): 219-246. Recuperado em http://dx.doi.org/10.1590/S0104-83332011000200008.

Pêcheux, M. (1990) Apresentação da AAD. In: Gadet, F., Hak, H. Por uma análise automática do discurso. Campinas: Pontes.

Peixoto, V. B. (2018). Violência contra LGBTs no Brasil: a construção sócio- histórica do corpo abjeto com base em quatro homicídios. Dissertação. Brasília: Universidade Federal de Brasília.

Pereira, C. M. S. (2004). Instituições de direito civil. Rio de Janeiro: Forense.

Peroni, V. M. V. & Caetano, M. R. (2016). O público e o privado na educação- Projetos em disputa? Retratos da Escola, (9) 17: 2016.

Pimentel, S. (2006) Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher (apresentação). In: Brasil. Instrumentos Internacionais de Direitos das Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres.

Pinski, C.B. & Pedro, J. M. (2010). Igualdade e Especificidade. In: Pinsky, J. & Pinsky, C. B. História da Cidadania. São Paulo: Contexto.

Pinto, C. R. J (2003). Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Pinto, C. R. J (2010). Feminismo, história e poder. Revista de Sociologia Politica, (18) 36: 15-23. Recuperado em http://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782010000200003.

Pinto, T. S. (2018). A Igreja Católica no Brasil. Brasil Escola. Recuperado em http://brasilescola.uol.com.br/historiab/igreja-catolica-no-brasil.htm.

Piovesan, F. (1997). Direitos humanos e o direito constitucional internacional. São Paulo: M. Limonad.

Priore, M. D. & Bassanezi, C. (2004). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto.

Ramos, A.C. (2017). Curso de direitos humanos. São Paulo: Saraiva .

Ramos, M. S. & Stampa, I. (2016). Subversão e resistência docente: Notas sobre a ditadura militar e o movimento Escola sem Partido. Revista Espaço do Currículo, (9) 2.

Reale, M. (1996). Paradigmas da cultura contemporânea. São Paulo: Saraiva. Revista Veja (2016). A quem interessava matar esta mulher? Editora Abril, (2574) 21 de março. Recuperado em https://veja.abril.com.br/edicoes-veja/2574.

Revista Veja (2018). Desembargadora diz que Marielle estava engajada com bandidos‘? Editora Abril. (On-line). Recuperado em https://veja.abril.com.br/brasil/desembargadora-diz-que-marielle-estava- engajada-com-bandidos/.

Rios, R. R. (2006). Para um direito democrático da sexualidade. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, 12 (26) 71-100.

Rosado, M. J. (2001). O impacto do feminismo sobre o estudo das religiões. Cadernos pagu, (16), 79-96. Recuperado em http://dx.doi.org/10.1590/S0104- 83332001000100005.

Rosado-Nunes, M. J. (2005). Gênero e religião. Revista Estudos Feministas, São Paulo, 13(2), 363-365. São Paulo.

Rosaldo, M. (1974). Women, Culture, and Society: A Theoretical Overview. In: Rosaldo, M. Z. & Lamphere, L. (1974) Women, Culture and Society. Stanford: Stanford University Press.

Rubin, G. (1975). The traffic in women: notes on the political economy of sex. In Reter, R. Toward an anthropology of women. New York: Monthly Review.

Saccomani. (1998). Verbete –Fascismo–. In: Bobbio, N.; Matteucci, N. & Pasquino, G. Dicionário de Política. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Saffioti, H. I. B. (2004). Gênero e patriarcado: violência contra mulheres. In: Venturi, G. A mulher brasileira nos espaços público e privado. São Paulo: Fundação Perseu Abramo. 79-80.

Salgado, G. M. (2015). Pastora defende a abordagem de questões de gênero na educação. Brasil de Fato (On-line). Recuperado em https://www.brasildefato.com.br/node/32246/.

Santos, B. C. (2012). Aborto, direitos reprodutivos e feminismo na França de Nicolas Sarkozy. Rev. bras. ciênc. polit. Recuperado em http://seer.bce.unb.br/index.php/ rbcp/article/view/6613.

Santos, D. (2012). Supremo decide por 8 a 2 que aborto de feto sem cérebro não é crime. G1. Recuperado em g1.globo.com/brasil/noticia/2012/04/supremo- decide-por-8-2-que-aborto -de- feto-sem-cerebro-nao-e-crime.html.

Sarlet, I. W. (2009). A eficácia dos Direitos Fundamentais: uma teoria geral dos Direitos Fundamentais na perspectiva constitucional. Porto Alegre: Livraria do Advogado.

Sarti, C. A. (2004). A família como ordem simbólica. Psicologia Usp, 15 (3), 11-28. Sarti, C. (1988). Feminismo no Brasil: uma trajetória particular. Cadernos de Pesquisa, (64) 38-47.

Saviani, D. (2016). Educação escolar, currículo e sociedade: o problema da base nacional comum curricular. Movimento-Revista de Educação, (4).

Scavone, L. (2008). Religiões, gênero e feminismo. Rev Estudos da Religião, 2 (4), 1-8.

Scherer-Warren, I. (2014). Manifestações de rua no Brasil 2013: encontros e desencontros na política. Caderno CRH, 27(71).

Schmitt-Pantel, P. (2003). A criação da mulher: um ardil para a história das mulheres. O corpo feminino em debate. São Paulo: EUnesp, 129-156.

Segato, R. L. (1988). Os percursos do gênero na antropologia e para além dela. Brasília: Departamento de Antropologia.

Shapiro, J. (1981). Anthropology and the study of gender. Soundings, 446-465.

Silva, F. D. L. L. (2001). Princípio constitucional da igualdade. Rio de Janeiro: Lumen Júris.

Silva, M. B. N. (1983). Sistema de casamento no Brasil colonial. Rio de Janeiro.

Silva, M. D. (2014). Do Gênesis à gênese da hermenêutica filosófica: a interpretação como locus da criação da realidade na decisão judicial. Tese. Programa de Pós-Graduação em Direito, Centro de Ciências Júridicas / FDR, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Simões, S.D. (1985). Deus, pátria e família. As mulheres no Golpe de 1964. Petrópolis: Vozes.

Smith, C. (1991). The emergence of Liberation Theology: Radical Religion and Social Movement Theory. Chicago: University of Chicago Press.

Soares, B. (2006). A Violência Doméstica e as Pesquisas de Vitimização. In: II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais – CONFEST. IBGE. Anais [...]. Rio de Janeiro. Recuperado em http://www.ibge.gov.br/confest_e_confege/pesquisa_trabalhos/arquivosPDF/M7 05_01.pdf.

Sodré, N. W. (1999). História da imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad.

Souza, A. R. (2012). O pluralismo cristão brasileiro. Revista Caminhos-Revista de Ciências da Religião, 10 (1), 129-141.

Souza, S. D. (2004). Revista Mandrágora: gênero e religião nos Estudos Feministas. Revista Estudos Feministas, 122. Recuperado em http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2004000300014.

Souza, L.M. (2009). O diabo e a Terra de Santa Cruz: feitiçaria e religiosidade popular no Brasil Colonial. São Paulo: Companhia das Letras.

Spector, N. (2001). Manual para redação de teses, projetos de pesquisa e artigos científicos. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Stanko, E. A. (2006). Theorizing About Violence: Observations from the Economic and Social Research Council‘s. Violence Research programme Violence Against Women, (12) 6: 543-555.

Stepan, A. (1987). Os militares: da abertura à Nova República. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Tabak, F. (2002). O laboratório de Pandora: estudos sobre a ciência no feminino. Rio de Janeiro.

Tatagiba, L. (2018). Entre as ruas e as instituições: os protestos e o impeachment de Dilma Rousseff. Lusotopie, 17(1), 112-135.

Tavares, A. R. (2016). O direito fundamental ao discurso religioso: divulgação da fé, proselitismo e evangelização. Revista Brasileira de Estudos Constitucionais– RBEC, Belo Horizonte, ano, 3, 17-47.

Teixeira, F. (2011). Sociologia da Religião: enfoques teóricos. 4a. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Telles Jr., G. (1986). A Constituição, a Assembleia Constituinte e o Congresso Nacional. São Paulo: Saraiva.

Thomas, G. (1982). Política indigenista dos portugueses no Brasil. 1500-1640. São Paulo: edições Loyola.

Thomson, J. J. (2012). Uma defesa do aborto. Revista Brasileira de Ciência Política. Recuperado em http://seer.bce.unb.br/index.php/rbcp/article/view/6614/5338.

Tomazela, J. M. (2018). Escola Sem Partido completa 1 ano em cidade do interior paulista e não tem efeito prático. Educação. O Estado de São Paulo. Recuperado em https://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,escola-sem-partido-completa-1-ano-em-cidade-do-interior-paulista-e-nao-tem-efeito-pratico,70002578008

Trevisan, J. B. (2013). Evangélicos pentecostais na política partidária brasileira: de 1989 a 2010. Revista Brasileira de História das Religiões, 15. Recuperado em http://www.dhi.uem.br/gtreligiao/pub.html.

Trindade, A. A. C. (1997). Dilemas e desafios da Proteção Internacional dos Direitos Humanos no limiar do século XXI. Revista Brasileira de Política Internacional, 40 (1), 167-177. Recuperado em http://dx.doi.org/10.1590/S0034-73291997000100007.

Vaggione, J. M. (2005). Los roles políticos de la religión. Gênero y sexualidad más allá del secularismo. In: Vassallo, M. En nombre de La vida. Córdoba/Argentina: Católicas por el Derecho a Decidir.

Vainer, B. Z. (2010). Breve histórico acerca das constituições do Brasil e do controle de constitucionalidade brasileiro. Revista Brasileira de Direito Constitucional, 16(1), 161-191.

Valente, I. & Romano, R. (2002). PNE: Plano Nacional de Educação ou carta de intenção. Educação & Sociedade, 23 (80): 96-107.

Vicente, L. M.D. (2018). Judicialização e sujeição social: uma análise dos direitos das mulheres no marco constitucional de 1988 e seus retrocessos. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 70(spe), 176-189. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809- 52672018000400015&lng=pt&tlng=pt.

Waiselfisz, J. J. (2015). Mapa da Violência 2015: Homicídio de Mulheres no Brasil. São Paulo: Instituto Sangari.

Williamson, E. & Abrahams, H. A. (2014). A review of the provision of intervention programmes for female victims and survivors of domestic abuse in the UK‘. Journal of Women and Social Work (29) 178-191.

Zepeda, J. J. L. (2010), –Secularização ou ressacralição? O debate sociológico contemporâneo sobre a teoria da secularição–. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 25(73),129-141.

Referências das notícias citadas no corpo do texto da tese, na ordem em que aparecem.

Carta Capital. Gênero e ensino religioso juntos na base curricular, 06-12-2017. O Povo. Projetos de lei. Educação sem ideologia?, 31/07/2016.

O Povo. Movimento Escola sem Partido ganha força no país, mas divide professores, 31/03/2016.

Carta Capital. Falso discurso da Escola Sem Partido avança no Congresso, 14/05/2018

Fórum. Qual o partido da escola sem partido?, 02/06/2016.

O Povo. Projetos de lei. Educação sem ideologia?, 31/07/2016. Diário do Nordeste. Debate perdido no tempo, 31/02/2016

Diário do Nordeste. Bancada religiosa comemora Plano, 07/05/2016 Diário do Nordeste. Execução precisa de fiscalização, 16/05/2016 Diário do Nordeste. Deputado critica “ideologia de gênero, 26/10/2017

Diário do Nordeste. Pautas conservadoras viram aposta eleitoral, 26/12/2017 Diário do Nordeste. Deputada reclama de livro didático”, 15/03/2018

O Povo. Marxismo e censura LGBT: deputados saem contra Plano de Educação, 24/03/2016

O Povo. Questões de gênero podem deixar alunos sem livros, 28/03/2016.

O Povo. Silas Malafaia pede a Temer ‘cuidado’ na escolha do ministro da Educação,

/04/2016

O Povo. SP: Malafaia diz a tucanos que evangélicos não negociarão ‘ideologia de gênero, 17/08/2017

O Povo. Candidato do PRB mantém vantagem no Rio, 28/10/2016

O Povo. Votação de Plano Municipal de Cultura gera polêmica e ataques homofóbicos, 20/11/2017

O Povo. Opinião: igrejas neopentecostais ameaçam democracia na América Latina, 10/02/2018

O Povo. O Ceará que a Assembleia discute. Discursos sobre gênero ultrapassam seca em debates na Assembleia, 03/12/2017

O Povo. O Ceará que a Assembleia discute. Discursos sobre gênero ultrapassam seca em debates na Assembleia, 03/12/2017

O Povo. A verdadeira „ideologia de gênero, 21/03/2017

O Povo. Somos sociedade cristã, diz deputada por alteração no Plano de Educação, 03/05/2016

O Povo. Escola livre é escola sem mordaça, 03/05/2016; Projetos de lei. Educação sem ideologia?, 31/07/2016

O Povo. Confronto de ideias”, 13/05/2016

O Povo. Debate. A escola e o equilíbrio entre visões divergentes, 31/07/2016 O Povo. Escola Livre ou Terceira Margem”, 05/09/2016

O Povo. Movimento Escola sem Partido ganha força no país, mas divide professores, 15/10/2016

O Povo. Candidato do PRB mantém vantagem no Rio, 28/10/2016

O Povo. Grupo faz ato em Fortaleza em apoio à Lava Jato, 26/03/2017

O Povo. SP: Malafaia diz a tucanos que evangélicos não negociarão ‘ideologia de gênero, 17/08/2017

O Povo. O Ceará que a Assembleia discute. Discursos sobre gênero ultrapassam seca em debates na Assembleia, 03/12/2017

Carta Capital. No Recife, diversidade sexual pode deixar alunos sem livros, 29/03/2016

Carta Capital. Como lidar com a polarização política dentro da escola?, 29/03/2016 Carta Capital. A falácia da Escola Sem Partido - ou do pensamento único, 01/06/2016

Carta Capital. A escola tem um papel fundamental para romper com a cultura de estupro, 07/06/2016

Carta Capital. Discutir gênero não tem nada a ver com „apologia gayzista, 19/07/2016

Carta Capital. Escola Sem Partido: estratégia golpista para calar a educação, 08/08/2016

Carta Capital. Vamos falar sobre gênero?, 26/10/2016

Carta Capital. Como trabalhar a igualdade de gênero na escola, 08/03/2017 Carta Capital Por que é tão difícil falar de gênero na escola?, 04/11/2016

Carta Capital. Conheça a última versão da Base Curricular para Ensino Infantil e Fundamental, 06/04/2017

Carta Capital. A sociedade perde ao não discutir gênero na escola, 13/04/2017

Carta Capital. Base Nacional Comum Curricular: muitas perguntas, poucas respostas, 06/07/2017

Carta Capital. Quando a tática do Estado para lidar com a homofobia é a omissão, 16/05/2017

Carta Capital. 84% dos brasileiros apoiam a discussão de gênero nas escolas, 26/06/2017

Carta Capital. Escola sem partido intimida e persegue professores, 02/08/2017

Carta Capital. Jornal Gazeta do Povo cria Monitor da Doutrinação para as escolas, 08/12/2017

Carta Capital, Após pressão, jornal Gazeta do Povo tira do ar Monitor da Doutrinação, 11/12/2017

Carta Capital. Conselho aprova Base Nacional Comum Curricular, 15/12/2017

Carta Capital. Falso discurso da Escola Sem Partido avança no Congresso, 14/05/2018

Fórum. Bolsonaro grava vídeo sobe educação e revista especializada desmente frase por frase, 17/01/2016

Fórum. Mulheres e LGBTs do PT repudiam declarações de ex-ministro Luiz Marinho, 27/01/2016

Fórum. Qual o partido da escola sem partido?, 02/06/2016

Fórum. O que fazia uma seita religiosa em uma escola estadual paulista?,

/06/2016

Fórum. Clóvis Gruner: O excepcional normal, 16/06/2016

Fórum. Deputada evangélica pede “providências legais contra professor que debateu homofobia em sala de aula, 08/07/2016

Fórum. Em algumas horas, MEC nomeia e exonera economista ligado ao „Escola Sem Partido, 12/07/2016

Fórum. Uma farsa chamada Escola sem Partido, 14/07/2016

Fórum. Aluna é suspensa depois de criticar escola que proibiu discutir sexo, gênero e religião, 20/10/2017

Fórum. Sindicalistas, estudantes e pais lançam „Frente Escola sem Mordaça no Rio de Janeiro, 16/10/2016

Fórum. Grupo fascista cria tumulto em debate sobre “ideologia de gênero” em Guarujá, 29/10/2017

Fórum. Temer exclui combate à discriminação de gênero na base curricular e inclui tema na área de Ensino Religioso, 06/12/2017

Cubierta para A percepção da imprensa escrita de fortaleza - ce sobre o discurso de gênero dos políticos e igrejas cristãs
Publicado
marzo 25, 2021
Creative Commons License
Esta obra está bajo licencia internacional Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObrasDerivadas 4.0.